Novas receitas

6 desculpas para comer antes do treino

6 desculpas para comer antes do treino

Aveia

A aveia é uma das refeições mais saudáveis ​​que você pode comer e é uma das mais fáceis porque é super rápida de fazer. Ele se instala bem, dá energia de longa duração e é uma boa fonte de proteína. Se você quer perder peso, a aveia também é perfeita.

Foto de Tiare Brown

Iogurte grego

A variedade de iogurte mais popular, o iogurte grego, preenche você perfeitamente e também é uma ótima fonte de proteína. A razão para ir para o grego é porque contém menos açúcar do que o iogurte comum, o que é uma escolha muito melhor, já que o iogurte açucarado fornece apenas um pequeno impulso de energia. Você pode até adicionar mirtilos ou qualquer acessório alimentar de sua escolha para animá-lo.

Fatias de Maçã e Manteiga de Amendoim

Adoro este lanche quando estou com fome antes do treino, mas não quero perder meu almoço no elíptico. Além de ser leve, a combinação do sabor da maçã com a cremosa manteiga de amendoim é uma combinação perfeita. É perfeito para um rápido aumento de energia.

Torrada com Manteiga de Amendoim e Bananas

Torrada de trigo integral com manteiga de amendoim e bananas ... pode ficar melhor do que isso? É fácil de digerir e cheio de carboidratos (o tipo bom). As bananas aumentam os níveis de potássio, que podem cair quando você suar muito.

Foto de Tiare Brown

Smoothies

Um dos meus favoritos pessoais, smoothies são uma maneira incrível de ficar energizado, reduzir a fome e se sentir saudável antes de malhar. Eu recomendaria misturar várias frutas, iogurte grego, gelo e algum tipo de suco como suco de laranja. Eu prometo a você, será uma delícia.

Água

Sempre, sempre lembre-se de hidratar antes e depois do treino. Ter líquidos no corpo é extremamente importante se você deseja fazer um treino produtivo.

Veja a postagem original, 6 Excuses to Eat Before Your Workout, na Spoon University.

Confira mais coisas boas da Spoon University aqui:

  • 12 maneiras de comer manteiga de biscoito
  • Melhor Hacks do Menu Chipotle
  • Receita de sanduíche Copycat Chick-Fil-A
  • A ciência por trás dos desejos alimentares
  • Como fazer sua própria farinha de amêndoa

6 razões pelas quais você não pode superar uma dieta ruim

Claro, você poderia comer o que quisesse no colégio e permanecer magro como um trilho. Mas, infelizmente, você não tem mais 17 anos, e mesmo se você treinar "o tempo todo, você não pode transformar seu corpo se ceder constantemente aos desejos, alimentos ricos em gordura e doces. A verdade é que os abdominais retos são feitos na cozinha e nenhuma quantidade de cardio e abdominais pode esculpir um físico elegante se você mantiver uma dieta pouco saudável.

“Consumir calorias em excesso e você terá que contrabalançá-las”, diz Sara Haas, R.D.N., porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética. “E é difícil fazer exercícios o suficiente para desfazer as calorias que você obterá em um cheeseburger duplo com batatas fritas e um milk-shake.”

Leia as razões pelas quais alinhar seu plano de nutrição com sua rotina de exercícios o ajudará a conseguir o corpo que deseja.

Por que você não pode treinar além de uma dieta ruim

1. Você não é um atleta profissional.

Se você justificar jantares frequentes de frango frito ou massa com a classe Flywheel ou CrossFit WOD em sua programação na manhã seguinte, você pode querer recalcular quantas calorias você está realmente queimando em comparação com as que está ingerindo. “A maioria Muitas pessoas não são atletas sérios, o que significa que não precisam do mesmo tipo e quantidade de combustível que os profissionais ”, diz Haas. “Comer uma refeição ou lanche com alto teor de carboidratos e calorias faz sentido para um ciclista competitivo prestes a enfrentar uma corrida de 100 milhas, mas não faz sentido para alguém que está prestes a dar uma corrida de três quilômetros ao redor do quarteirão . ”

Em vez disso, opte por uma forma mais saudável de frango, como grelhado ou escalfado, e guarde o espaguete para uma refeição pós-corrida. Sim, não há problema em ter um cheat aqui e ali, mas tente não torná-lo semanal ou mesmo quinzenal. E não se preocupe em justificar isso com uma sessão de suor intenso que você pode ter tido antes - é chamada de refeição de trapaça por um motivo.

Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia.

2. Você não será capaz de atingir seu pico se estiver exagerando com os alimentos errados.

Para mudar eficazmente o seu físico e manter-se tonificado, é necessário um exercício intenso. Você não terá resistência física para fazer exercícios pesados ​​se sua dieta não for adequada. Sim, infelizmente isso significa que, embora as peças de Reese e os refrigerantes possam dar a você um alto teor de açúcar que você confunde com energia, eles não o abastecem para fazer relações públicas no banco ou na pista. Além disso, se você está consumindo alimentos ricos em gordura à noite, eles podem atrapalhar seu sono, de acordo com pesquisadores brasileiros - o que o deixará muito cansado para ir à academia.

Você precisará de uma combinação de carboidratos e proteínas para se recuperar após um treino, bem como carboidratos adequados de antemão também. “Eles são a energia preferida para os músculos e a mente dos praticantes de exercícios”, diz Jennifer McDaniel, R.D.N., fundadora da McDaniel Nutrition Therapy em St. Louis e porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética.

Fique atento para não ingerir muita gordura, o que muitas vezes também se traduz em uma abundância de calorias, o que rapidamente resulta em quilos extras. Outra armadilha da dieta a evitar durante o treinamento é extremamente grandes quantidades de carboidratos ou fibras. “Isso pode causar problemas digestivos incômodos e impedir que você tenha um bom desempenho”, diz McDaniel. Em geral, tente obter cerca de 30% de sua dieta de proteínas, 40% de carboidratos e 30% de gordura.


3. Você não terá energia para se exercitar se não estiver comendo o suficiente.

Lembre-se de que uma dieta que você pode considerar saudável - com muito baixo teor de carboidratos ou calorias - é tão prejudicial ao seu plano de treino quanto aquela com alto teor de gordura. Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia, diz McDaniel. Não obter gordura suficiente (vitaminas solúveis em gordura, como vitaminas A e D, e ácidos graxos essenciais, como ômega-3, em particular), ela acrescenta, “deixa você incapaz de produzir energia e desenvolver músculos porque reduz seus níveis de hormônios como insulina e testosterona - que são importantes para construir massa corporal magra. ”

Além disso, manter uma dieta muito restritiva por um período prolongado pode levar a uma redução no tecido muscular e pode diminuir a capacidade de seus músculos esqueléticos (aqueles necessários para levantar, caminhar e outras formas de exercício) para um bom desempenho, concluiu um estudo publicado no jornal Avanços na nutrição.

& # 8220 Uma dieta baixa em carboidratos crônica pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões. & # 8221

4. Você não vai quer exercitar.

Escolhas de alimentos não saudáveis ​​- se você está comendo muita gordura, muitas calorias ou não o suficiente - podem fazer você se sentir lento e menos inclinado a fazer exercícios. “Dieta e exercícios são um ciclo de feedback”, diz McDaniel. “Quando você come bem, você fica motivado para se mover, e quando você se move, você fica mais motivado para comer melhor.” Considere, por exemplo, uma dieta baixa em carboidratos e rica em gordura, que pode não apenas enfraquecer as adaptações ao treinamento e prejudicar o desempenho, acrescenta McDaniel, mas também pode levar a um humor "faminto". Tradução: você terá menos probabilidade de querer ir à academia.

5. Você não será capaz de tonificar suas áreas-alvo.

Está tendo dificuldade em esculpir uma bunda ou um abdômen melhor? Quando você consome calorias em excesso e não consegue queimá-las apenas com os treinos, eles vão direto para essas zonas problemáticas. “Depende do seu tipo específico de corpo”, diz Haas, “mas geralmente, as mulheres tendem a ganhar peso nos quadris e nas coxas, enquanto os homens acumulam na região do meio”. Portanto, mesmo que você tenha ganho músculos nessas áreas, eles serão cobertos por uma camada de gordura. E os exercícios abdominais por si só não são suficientes para diminuir o percentual de gordura corporal ou gordura abdominal, de acordo com um estudo publicado no Jornal de pesquisa de força e condicionamento.

Manter sua dieta sob controle ajudará porque para se tornar verdadeiramente tonificado, você precisará construir músculos e queimar mais calorias do que você está consumindo ao mesmo tempo. É mais fácil fazer isso se você não se mimar com nachos ou sorvete em primeiro lugar.

6. Você pode ficar doente - ou se machucar.

As dietas com baixo teor de carboidratos e gorduras podem ser mentalmente desgastantes e ter um impacto negativo na saúde do coração, diz McDaniel. Além disso, ela diz: “Seguir uma dieta crônica de baixo teor de carboidratos pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões”. Estudos descobriram que não ingerir uma quantidade adequada de gorduras saudáveis ​​pode aumentar suas chances de lesões por uso excessivo (como fraturas por estresse e tendinite) e não permite que seu corpo se proteja para permanecer saudável. Além disso, se você combinar uma dieta com baixo teor de gordura com exercícios intensos, isso pode diminuir sua imunidade ainda mais.

Sessões regulares de suor são, obviamente, a chave para se manter em forma e manter sua saúde geral. No entanto, diz McDaniel, “Lembre-se de que o exercício mantém a perda de peso - mas uma dieta saudável é o que o impulsiona”.


6 razões pelas quais você não pode superar uma dieta ruim

Claro, você poderia comer o que quisesse no colégio e permanecer magro como um trilho. Mas, infelizmente, você não tem mais 17 anos, e mesmo se você treinar "o tempo todo, você não pode transformar seu corpo se ceder constantemente aos desejos, alimentos ricos em gordura e doces. A verdade é que os abdominais retos são feitos na cozinha e nenhuma quantidade de cardio e abdominais pode esculpir um físico elegante se você mantiver uma dieta pouco saudável.

“Consumir calorias em excesso e você terá que contrabalançá-las”, diz Sara Haas, R.D.N., porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética. “E é difícil fazer exercícios o suficiente para desfazer as calorias que você obterá em um cheeseburger duplo com batatas fritas e um milk-shake.”

Leia as razões pelas quais alinhar seu plano de nutrição com sua rotina de exercícios o ajudará a conseguir o corpo que deseja.

Por que você não pode treinar além de uma dieta ruim

1. Você não é um atleta profissional.

Se você justificar jantares frequentes de frango frito ou massa com a classe Flywheel ou CrossFit WOD em sua programação na manhã seguinte, você pode querer recalcular quantas calorias você está realmente queimando em comparação com as que está ingerindo. “A maioria Muitas pessoas não são atletas sérios, o que significa que não precisam do mesmo tipo e quantidade de combustível que os profissionais ”, diz Haas. “Comer uma refeição ou lanche com alto teor de carboidratos e calorias faz sentido para um ciclista competitivo prestes a enfrentar uma corrida de 100 milhas, mas não faz sentido para alguém que está prestes a dar uma corrida de três quilômetros ao redor do quarteirão . ”

Em vez disso, opte por uma forma mais saudável de frango, como grelhado ou escalfado, e guarde o espaguete para uma refeição pós-corrida. Sim, não há problema em ter um cheat aqui e ali, mas tente não torná-lo semanal ou mesmo quinzenal. E não se preocupe em justificar isso com uma sessão de suor intenso que você pode ter tido antes - é chamada de refeição de trapaça por um motivo.

Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia.

2. Você não será capaz de atingir seu pico se estiver exagerando com os alimentos errados.

Para mudar eficazmente o seu físico e manter-se tonificado, é necessário um exercício intenso. Você não terá resistência física para fazer exercícios pesados ​​se sua dieta não for adequada. Sim, infelizmente isso significa que, embora as peças de Reese e os refrigerantes possam dar a você um alto teor de açúcar que você confunde com energia, eles não o abastecem para fazer relações públicas no banco ou na pista. Além disso, se você está consumindo alimentos ricos em gordura à noite, eles podem atrapalhar seu sono, de acordo com pesquisadores brasileiros - o que o deixará muito cansado para ir à academia.

Você precisará de uma combinação de carboidratos e proteínas para se recuperar após um treino, bem como carboidratos adequados de antemão também. “Eles são a energia preferida para os músculos e a mente dos praticantes de exercícios”, diz Jennifer McDaniel, R.D.N., fundadora da McDaniel Nutrition Therapy em St. Louis e porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética.

Fique atento para não ingerir muita gordura, o que muitas vezes também se traduz em uma abundância de calorias, o que rapidamente resulta em quilos extras. Outra armadilha da dieta a evitar durante o treinamento é extremamente grandes quantidades de carboidratos ou fibras. “Isso pode causar problemas digestivos incômodos e impedir que você tenha um bom desempenho”, diz McDaniel. Em geral, tente obter cerca de 30% de sua dieta de proteínas, 40% de carboidratos e 30% de gordura.


3. Você não terá energia para se exercitar se não estiver comendo o suficiente.

Lembre-se de que uma dieta que você pode considerar saudável - com muito baixo teor de carboidratos ou calorias - é tão prejudicial ao seu plano de treino quanto aquela com alto teor de gordura. Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia, diz McDaniel. Não obter gordura suficiente (vitaminas solúveis em gordura, como vitaminas A e D, e ácidos graxos essenciais, como ômega-3, em particular), ela acrescenta, “deixa você incapaz de produzir energia e desenvolver músculos porque reduz seus níveis de hormônios como insulina e testosterona - que são importantes para construir massa corporal magra. ”

Além disso, manter uma dieta muito restritiva por um período prolongado pode levar a uma redução no tecido muscular e pode diminuir a capacidade de seus músculos esqueléticos (aqueles necessários para levantar, caminhar e outras formas de exercício) para um bom desempenho, concluiu um estudo publicado no jornal Avanços na nutrição.

& # 8220 Uma dieta baixa em carboidratos crônica pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões. & # 8221

4. Você não vai quer exercitar.

Escolhas de alimentos não saudáveis ​​- se você está comendo muita gordura, muitas calorias ou não o suficiente - podem fazer você se sentir lento e menos inclinado a fazer exercícios. “Dieta e exercícios são um ciclo de feedback”, diz McDaniel. “Quando você come bem, você fica motivado para se mover, e quando você se move, você fica mais motivado para comer melhor.” Considere, por exemplo, uma dieta baixa em carboidratos e rica em gordura, que pode não apenas enfraquecer as adaptações ao treinamento e prejudicar o desempenho, acrescenta McDaniel, mas também pode levar a um humor "faminto". Tradução: você terá menos probabilidade de querer ir à academia.

5. Você não será capaz de tonificar suas áreas-alvo.

Está tendo dificuldade em esculpir uma bunda ou um abdômen melhor? Quando você consome calorias em excesso e não consegue queimá-las apenas com os treinos, eles vão direto para essas zonas problemáticas. “Depende do seu tipo específico de corpo”, diz Haas, “mas geralmente, as mulheres tendem a ganhar peso nos quadris e nas coxas, enquanto os homens acumulam na região do meio”. Portanto, mesmo que você tenha ganho músculos nessas áreas, eles serão cobertos por uma camada de gordura. E os exercícios abdominais por si só não são suficientes para diminuir o percentual de gordura corporal ou gordura abdominal, de acordo com um estudo publicado no Jornal de pesquisa de força e condicionamento.

Manter sua dieta sob controle ajudará porque para se tornar verdadeiramente tonificado, você precisará construir músculos e queimar mais calorias do que você está consumindo ao mesmo tempo. É mais fácil fazer isso se você não se mimar com nachos ou sorvete em primeiro lugar.

6. Você pode ficar doente - ou se machucar.

As dietas com baixo teor de carboidratos e gorduras podem ser mentalmente desgastantes e ter um impacto negativo na saúde do coração, diz McDaniel. Além disso, ela diz: “Seguir uma dieta crônica de baixo teor de carboidratos pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões”. Estudos descobriram que não ingerir uma quantidade adequada de gorduras saudáveis ​​pode aumentar suas chances de lesões por uso excessivo (como fraturas por estresse e tendinite) e não permite que seu corpo se proteja para permanecer saudável. Além disso, se você combinar uma dieta com baixo teor de gordura com exercícios intensos, isso pode diminuir sua imunidade ainda mais.

Sessões regulares de suor são, obviamente, a chave para se manter em forma e manter sua saúde geral. No entanto, diz McDaniel, “Lembre-se de que o exercício mantém a perda de peso - mas uma dieta saudável é o que o impulsiona”.


6 razões pelas quais você não pode superar uma dieta ruim

Claro, você poderia comer o que quisesse no colégio e permanecer magro como um trilho. Mas, infelizmente, você não tem mais 17 anos, e mesmo se você treinar "o tempo todo, você não pode transformar seu corpo se ceder constantemente aos desejos, alimentos ricos em gordura e doces. A verdade é que os abdominais retos são feitos na cozinha e nenhuma quantidade de cardio e abdominais pode esculpir um físico elegante se você mantiver uma dieta pouco saudável.

“Consumir calorias em excesso e você terá que contrabalançá-las”, diz Sara Haas, R.D.N., porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética. “E é difícil fazer exercícios o suficiente para desfazer as calorias que você obterá em um cheeseburger duplo com batatas fritas e um milk-shake.”

Leia as razões pelas quais alinhar seu plano de nutrição com sua rotina de exercícios o ajudará a conseguir o corpo que deseja.

Por que você não pode treinar além de uma dieta ruim

1. Você não é um atleta profissional.

Se você justificar jantares frequentes de frango frito ou massa com a classe Flywheel ou CrossFit WOD em sua programação na manhã seguinte, você pode querer recalcular quantas calorias você está realmente queimando em comparação com as que está ingerindo. “A maioria Muitas pessoas não são atletas sérios, o que significa que não precisam do mesmo tipo e quantidade de combustível que os profissionais ”, diz Haas. “Comer uma refeição ou lanche com alto teor de carboidratos e calorias faz sentido para um ciclista competitivo prestes a enfrentar uma corrida de 100 milhas, mas não faz sentido para alguém que está prestes a dar uma corrida de três quilômetros ao redor do quarteirão . ”

Em vez disso, opte por uma forma mais saudável de frango, como grelhado ou escalfado, e guarde o espaguete para uma refeição pós-corrida. Sim, não há problema em ter um cheat aqui e ali, mas tente não torná-lo semanal ou mesmo quinzenal. E não se preocupe em justificar isso com uma sessão de suor intenso que você pode ter tido antes - é chamada de refeição de trapaça por um motivo.

Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia.

2. Você não será capaz de atingir seu pico se estiver exagerando com os alimentos errados.

Para mudar eficazmente o seu físico e manter-se tonificado, é necessário um exercício intenso. Você não terá resistência física para fazer exercícios pesados ​​se sua dieta não for adequada. Sim, infelizmente isso significa que, embora as peças de Reese e os refrigerantes possam dar a você um alto teor de açúcar que você confunde com energia, eles não o abastecem para fazer relações públicas no banco ou na pista. Além disso, se você está consumindo alimentos ricos em gordura à noite, eles podem atrapalhar seu sono, de acordo com pesquisadores brasileiros - o que o deixará muito cansado para ir à academia.

Você precisará de uma combinação de carboidratos e proteínas para se recuperar após um treino, bem como carboidratos adequados de antemão também. “Eles são a energia preferida para os músculos e a mente dos praticantes de exercícios”, diz Jennifer McDaniel, R.D.N., fundadora da McDaniel Nutrition Therapy em St. Louis e porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética.

Fique atento para não ingerir muita gordura, o que muitas vezes também se traduz em uma abundância de calorias, o que rapidamente resulta em quilos extras. Outra armadilha da dieta a evitar durante o treinamento é extremamente grandes quantidades de carboidratos ou fibras. “Isso pode causar problemas digestivos incômodos e impedir que você tenha um bom desempenho”, diz McDaniel. Em geral, tente obter cerca de 30% de sua dieta de proteínas, 40% de carboidratos e 30% de gordura.


3. Você não terá energia para se exercitar se não estiver comendo o suficiente.

Lembre-se de que uma dieta que você pode considerar saudável - com muito baixo teor de carboidratos ou calorias - é tão prejudicial ao seu plano de treino quanto aquela com alto teor de gordura. Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia, diz McDaniel. Não obter gordura suficiente (vitaminas solúveis em gordura, como vitaminas A e D, e ácidos graxos essenciais, como ômega-3, em particular), ela acrescenta, “deixa você incapaz de produzir energia e desenvolver músculos porque reduz seus níveis de hormônios como insulina e testosterona - que são importantes para construir massa corporal magra. ”

Além disso, manter uma dieta muito restritiva por um período prolongado pode levar a uma redução no tecido muscular e pode diminuir a capacidade de seus músculos esqueléticos (aqueles necessários para levantar, caminhar e outras formas de exercício) para um bom desempenho, concluiu um estudo publicado no jornal Avanços na nutrição.

& # 8220 Uma dieta baixa em carboidratos crônica pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões. & # 8221

4. Você não vai quer exercitar.

Escolhas de alimentos não saudáveis ​​- se você está comendo muita gordura, muitas calorias ou não o suficiente - podem fazer você se sentir lento e menos inclinado a fazer exercícios. “Dieta e exercícios são um ciclo de feedback”, diz McDaniel. “Quando você come bem, você fica motivado para se mover, e quando você se move, você fica mais motivado para comer melhor.” Considere, por exemplo, uma dieta baixa em carboidratos e rica em gordura, que pode não apenas enfraquecer as adaptações ao treinamento e prejudicar o desempenho, acrescenta McDaniel, mas também pode levar a um humor "faminto". Tradução: você terá menos probabilidade de querer ir à academia.

5. Você não será capaz de tonificar suas áreas-alvo.

Está tendo dificuldade em esculpir uma bunda ou um abdômen melhor? Quando você consome calorias em excesso e não consegue queimá-las apenas com os treinos, eles vão direto para essas zonas problemáticas. “Depende do seu tipo específico de corpo”, diz Haas, “mas geralmente, as mulheres tendem a ganhar peso nos quadris e nas coxas, enquanto os homens acumulam na região do meio”. Portanto, mesmo que você tenha ganho músculos nessas áreas, eles serão cobertos por uma camada de gordura. E os exercícios abdominais por si só não são suficientes para diminuir o percentual de gordura corporal ou gordura abdominal, de acordo com um estudo publicado no Jornal de pesquisa de força e condicionamento.

Manter sua dieta sob controle ajudará porque para se tornar verdadeiramente tonificado, você precisará construir músculos e queimar mais calorias do que você está consumindo ao mesmo tempo. É mais fácil fazer isso se você não se mimar com nachos ou sorvete em primeiro lugar.

6. Você pode ficar doente - ou se machucar.

As dietas com baixo teor de carboidratos e gorduras podem ser mentalmente desgastantes e ter um impacto negativo na saúde do coração, diz McDaniel. Além disso, ela diz: “Seguir uma dieta crônica de baixo teor de carboidratos pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões”. Estudos descobriram que não ingerir uma quantidade adequada de gorduras saudáveis ​​pode aumentar suas chances de lesões por uso excessivo (como fraturas por estresse e tendinite) e não permite que seu corpo se proteja para permanecer saudável. Além disso, se você combinar uma dieta com baixo teor de gordura com exercícios intensos, isso pode diminuir sua imunidade ainda mais.

Sessões regulares de suor são, obviamente, a chave para se manter em forma e manter sua saúde geral. No entanto, diz McDaniel, “Lembre-se de que o exercício mantém a perda de peso - mas uma dieta saudável é o que o impulsiona”.


6 razões pelas quais você não pode superar uma dieta ruim

Claro, você poderia comer o que quisesse no colégio e permanecer magro como um trilho. Mas, infelizmente, você não tem mais 17 anos, e mesmo se você treinar "o tempo todo, você não pode transformar seu corpo se ceder constantemente aos desejos, alimentos ricos em gordura e doces. A verdade é que os abdominais retos são feitos na cozinha e nenhuma quantidade de cardio e abdominais pode esculpir um físico elegante se você mantiver uma dieta pouco saudável.

“Consumir calorias em excesso e você terá que contrabalançá-las”, diz Sara Haas, R.D.N., porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética. “E é difícil fazer exercícios o suficiente para desfazer as calorias que você obterá em um cheeseburger duplo com batatas fritas e um milk-shake.”

Leia as razões pelas quais alinhar seu plano de nutrição com sua rotina de exercícios o ajudará a conseguir o corpo que deseja.

Por que você não pode treinar além de uma dieta ruim

1. Você não é um atleta profissional.

Se você justificar jantares frequentes de frango frito ou massa com a classe Flywheel ou CrossFit WOD em sua programação na manhã seguinte, você pode querer recalcular quantas calorias você está realmente queimando em comparação com as que está ingerindo. “A maioria Muitas pessoas não são atletas sérios, o que significa que não precisam do mesmo tipo e quantidade de combustível que os profissionais ”, diz Haas. “Comer uma refeição ou lanche com alto teor de carboidratos e calorias faz sentido para um ciclista competitivo prestes a enfrentar uma corrida de 100 milhas, mas não faz sentido para alguém que está prestes a dar uma corrida de três quilômetros ao redor do quarteirão . ”

Em vez disso, opte por uma forma mais saudável de frango, como grelhado ou escalfado, e guarde o espaguete para uma refeição pós-corrida. Sim, não há problema em ter um cheat aqui e ali, mas tente não torná-lo semanal ou mesmo quinzenal. E não se preocupe em justificar isso com uma sessão de suor intenso que você pode ter tido antes - é chamada de refeição de trapaça por um motivo.

Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia.

2. Você não será capaz de atingir seu pico se estiver exagerando com os alimentos errados.

Para mudar eficazmente o seu físico e manter-se tonificado, é necessário um exercício intenso. Você não terá resistência física para fazer exercícios pesados ​​se sua dieta não for adequada. Sim, infelizmente isso significa que, embora as peças de Reese e os refrigerantes possam dar a você um alto teor de açúcar que você confunde com energia, eles não o abastecem para fazer relações públicas no banco ou na pista. Além disso, se você está consumindo alimentos ricos em gordura à noite, eles podem atrapalhar seu sono, de acordo com pesquisadores brasileiros - o que o deixará muito cansado para ir à academia.

Você precisará de uma combinação de carboidratos e proteínas para se recuperar após um treino, bem como carboidratos adequados de antemão também. “Eles são a energia preferida para os músculos e a mente dos praticantes de exercícios”, diz Jennifer McDaniel, R.D.N., fundadora da McDaniel Nutrition Therapy em St. Louis e porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética.

Fique atento para não ingerir muita gordura, o que muitas vezes também se traduz em uma abundância de calorias, o que rapidamente resulta em quilos extras. Outra armadilha da dieta a evitar durante o treinamento é extremamente grandes quantidades de carboidratos ou fibras. “Isso pode causar problemas digestivos incômodos e impedir que você tenha um bom desempenho”, diz McDaniel. Em geral, tente obter cerca de 30% de sua dieta de proteínas, 40% de carboidratos e 30% de gordura.


3. Você não terá energia para se exercitar se não estiver comendo o suficiente.

Lembre-se de que uma dieta que você pode considerar saudável - com muito baixo teor de carboidratos ou calorias - é tão prejudicial ao seu plano de treino quanto aquela com alto teor de gordura. Um plano alimentar muito restritivo, combinado com exercícios intensos, pode fazer com que você se apoie na massa muscular para obter energia, diz McDaniel. Não obter gordura suficiente (vitaminas solúveis em gordura, como vitaminas A e D, e ácidos graxos essenciais, como ômega-3, em particular), ela acrescenta, “deixa você incapaz de produzir energia e desenvolver músculos porque reduz seus níveis de hormônios como insulina e testosterona - que são importantes para construir massa corporal magra. ”

Além disso, manter uma dieta muito restritiva por um período prolongado pode levar a uma redução no tecido muscular e pode diminuir a capacidade de seus músculos esqueléticos (aqueles necessários para levantar, caminhar e outras formas de exercício) para um bom desempenho, concluiu um estudo publicado no jornal Avanços na nutrição.

& # 8220 Uma dieta baixa em carboidratos crônica pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões. & # 8221

4. Você não vai quer exercitar.

Escolhas de alimentos não saudáveis ​​- se você está comendo muita gordura, muitas calorias ou não o suficiente - podem fazer você se sentir lento e menos inclinado a fazer exercícios. “Dieta e exercícios são um ciclo de feedback”, diz McDaniel. “Quando você come bem, você fica motivado para se mover, e quando você se move, você fica mais motivado para comer melhor.” Considere, por exemplo, uma dieta baixa em carboidratos e rica em gordura, que pode não apenas enfraquecer as adaptações ao treinamento e prejudicar o desempenho, acrescenta McDaniel, mas também pode levar a um humor "faminto". Tradução: você terá menos probabilidade de querer ir à academia.

5. Você não será capaz de tonificar suas áreas-alvo.

Está tendo dificuldade em esculpir uma bunda ou um abdômen melhor? Quando você consome calorias em excesso e não consegue queimá-las apenas com os treinos, eles vão direto para essas zonas problemáticas. “Depende do seu tipo específico de corpo”, diz Haas, “mas geralmente, as mulheres tendem a ganhar peso nos quadris e nas coxas, enquanto os homens acumulam na região do meio”. Portanto, mesmo que você tenha ganho músculos nessas áreas, eles serão cobertos por uma camada de gordura. E os exercícios abdominais por si só não são suficientes para diminuir o percentual de gordura corporal ou gordura abdominal, de acordo com um estudo publicado no Jornal de pesquisa de força e condicionamento.

Manter sua dieta sob controle ajudará porque para se tornar verdadeiramente tonificado, você precisará construir músculos e queimar mais calorias do que você está consumindo ao mesmo tempo. É mais fácil fazer isso se você não se mimar com nachos ou sorvete em primeiro lugar.

6. Você pode ficar doente - ou se machucar.

As dietas com baixo teor de carboidratos e gorduras podem ser mentalmente desgastantes e ter um impacto negativo na saúde do coração, diz McDaniel. Além disso, ela diz: “Seguir uma dieta crônica de baixo teor de carboidratos pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões”. Estudos descobriram que não ingerir uma quantidade adequada de gorduras saudáveis ​​pode aumentar suas chances de lesões por uso excessivo (como fraturas por estresse e tendinite) e não permite que seu corpo se proteja para permanecer saudável. Além disso, se você combinar uma dieta com baixo teor de gordura com exercícios intensos, isso pode diminuir sua imunidade ainda mais.

Sessões regulares de suor são, obviamente, a chave para se manter em forma e manter sua saúde geral. No entanto, diz McDaniel, “Lembre-se de que o exercício mantém a perda de peso - mas uma dieta saudável é o que o impulsiona”.


6 razões pelas quais você não pode superar uma dieta ruim

Claro, você poderia comer o que quisesse no colégio e permanecer magro como um trilho. Mas, infelizmente, você não tem mais 17 anos, e mesmo se você treinar "o tempo todo, você não pode transformar seu corpo se ceder constantemente aos desejos, alimentos ricos em gordura e doces. The truth is, flat abs are made in the kitchen and no amount of cardio and crunches can sculpt a sleek physique if you maintain an unhealthy diet.

“Consume excess calories and you have to counterbalance them,” says Sara Haas, R.D.N., spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics. “And it’s hard to get enough exercise in to undo the calories you’ll get in a double cheeseburger with French fries and a milk shake.”

Read on for reasons why aligning your nutrition plan with your exercise routine will help you get the body you want.

Why You Can’t Out-Train a Bad Diet

1. You’re not a professional athlete.

If you justify frequent fried chicken or pasta dinners with the Flywheel class or CrossFit WOD on your schedule the following morning, you might want to recalculate how many calories you’re actually burning in comparison to the ones you’re taking in. “The majority of people are not serious athletes, meaning they don’t require the same type and amount of fuel as the pros,” says Haas. “Eating a calorically dense, high-carbohydrate meal or snack makes sense for a competitive cyclist about to endure a 100-mile road race, but it doesn’t make sense for someone who is about to take a two-mile jog around the block.”

Instead, opt for a healthier form of chicken such as grilled or poached and save the spaghetti for a post-race meal. Yes, it’s OK to have a cheat here and there, but try not to make it a weekly or even bi-weekly thing. And don’t bother justifying it with an intense sweat session you may have had earlier — it’s called a cheat meal for a reason.

A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy.

2. You won’t be able to hit your peak if you’re overdoing it with the wrong foods.

To effectively change your physique and stay toned requires intense exercise. You won’t have the physical endurance to push through tough workouts if your diet isn’t up to snuff. Yes, that unfortunately means that while Reese’s Pieces and soda may give you a sugar high that you mistake as energy, they won’t fuel you to PR on the bench or around the track. Also, if you’re consuming high-fat foods in the evening, they could be disrupting your sleep, according to Brazilian researchers — which will leave you too tired to go all out at the gym.

You’ll need a combination of carbohydrates and protein to recover following a workout, as well as adequate carbs beforehand, too. “They’re the preferred energy for the exercisers’ muscles and mind,” says Jennifer McDaniel, R.D.N., founder of McDaniel Nutrition Therapy in St. Louis and spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics.

Watch out for taking in too much fat that often translates to an abundance of calories as well, which quickly packs on as extra pounds. Another diet pitfall to avoid when training is extremely high amounts of carbs or fiber. “These could cause annoying digestive issues and prevent you from performing well,” says McDaniel. In general, aim to get about 30 percent of your diet from protein, 40 percent from carbs and 30 percent from fat.


3. You won’t have the energy to exercise if you’re not eating enough.

Keep in mind that a diet you might think is healthy — one that’s super-low in carbs or calories — is just as harmful to your workout plan as one that’s high in fat. A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy, says McDaniel. Not getting enough fat (fat-soluble vitamins, like vitamins A and D, and essential fatty acids, like omega-3s, in particular), she adds, “leaves you unable to produce energy and grow muscle because it lowers your levels of hormones like insulin and testosterone — which are important for building lean-body mass.”

Additionally, maintaining a very restrictive diet for a prolonged period can lead to a reduction in muscle tissue and can decrease the ability of your skeletal muscles (the ones needed for lifting, walking, and other forms of exercise) to perform well, found a study published in the journal Advances in Nutrition.

“A chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.”

4. You won’t quer to exercise.

Unhealthy food choices — whether you’re eating too much fat, too many calories, or not enough of either—may make you feel slow and less driven to exercise. “Diet and exercise are a feedback loop,” says McDaniel. “When you eat well, you are motivated to move, and when you move, you are more motivated to eat better.” Consider, for instance, a low-carb, high-fat diet it might not only weaken training adaptations and hinder performance, McDaniel adds, but can also lead to a ‘hangry’ mood. Translation: You’ll be less likely to want to get to the gym.

5. You won’t be able to tone your target areas.

Having a hard time sculpting a better butt or washboard abs? When you consume excess calories and can’t burn them all off solely from your workouts, they head right to these trouble zones. “It’s dependent on your specific body type,” says Haas, “but generally, women tend to gain weight in the hips and thighs, while men pack it on around their midsection.” So even if you’ve gained muscle in these areas, it will be covered by a layer of fat. And abs exercises alone aren’t enough to decrease your body-fat percentage or abdominal fat, according to a study published in the Journal of Strength and Conditioning Research.

Keeping your diet in check will help because to become truly toned, you’ll need to build muscle e burn more calories than you’re consuming at the same time. It’s easier to do so if you don’t treat yourself to nachos or ice cream in the first place.

6. You could get sick — or hurt.

Low-carb and low-fat diets can be mentally draining and have a negative impact on heart health, says McDaniel. Plus, she says, “Following a chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.” Studies have found that not taking in an adequate amount of healthy fats may raise your chances for overuse injuries (such as stress fractures and tendonitis) and it doesn’t allow your body to protect itself in order to stay healthy. Furthermore, if you pair a low-fat diet with intense exercise, that can lower your immunity even further.

Regular sweat sessions are, of course, key for staying in shape and maintaining your overall health. However, says McDaniel, “Remember that exercise sustains weight loss — but a healthy diet is what drives it.”


6 Reasons Why You Can’t Out-Exercise a Bad Diet

Sure, you could eat whatever you wanted in high school and stay thin as a rail. But unfortunately you’re not 17 anymore, and even if you work out ‘round the clock, you can’t transform your body if you constantly give in to cravings, high-fat foods, and sweet treats. The truth is, flat abs are made in the kitchen and no amount of cardio and crunches can sculpt a sleek physique if you maintain an unhealthy diet.

“Consume excess calories and you have to counterbalance them,” says Sara Haas, R.D.N., spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics. “And it’s hard to get enough exercise in to undo the calories you’ll get in a double cheeseburger with French fries and a milk shake.”

Read on for reasons why aligning your nutrition plan with your exercise routine will help you get the body you want.

Why You Can’t Out-Train a Bad Diet

1. You’re not a professional athlete.

If you justify frequent fried chicken or pasta dinners with the Flywheel class or CrossFit WOD on your schedule the following morning, you might want to recalculate how many calories you’re actually burning in comparison to the ones you’re taking in. “The majority of people are not serious athletes, meaning they don’t require the same type and amount of fuel as the pros,” says Haas. “Eating a calorically dense, high-carbohydrate meal or snack makes sense for a competitive cyclist about to endure a 100-mile road race, but it doesn’t make sense for someone who is about to take a two-mile jog around the block.”

Instead, opt for a healthier form of chicken such as grilled or poached and save the spaghetti for a post-race meal. Yes, it’s OK to have a cheat here and there, but try not to make it a weekly or even bi-weekly thing. And don’t bother justifying it with an intense sweat session you may have had earlier — it’s called a cheat meal for a reason.

A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy.

2. You won’t be able to hit your peak if you’re overdoing it with the wrong foods.

To effectively change your physique and stay toned requires intense exercise. You won’t have the physical endurance to push through tough workouts if your diet isn’t up to snuff. Yes, that unfortunately means that while Reese’s Pieces and soda may give you a sugar high that you mistake as energy, they won’t fuel you to PR on the bench or around the track. Also, if you’re consuming high-fat foods in the evening, they could be disrupting your sleep, according to Brazilian researchers — which will leave you too tired to go all out at the gym.

You’ll need a combination of carbohydrates and protein to recover following a workout, as well as adequate carbs beforehand, too. “They’re the preferred energy for the exercisers’ muscles and mind,” says Jennifer McDaniel, R.D.N., founder of McDaniel Nutrition Therapy in St. Louis and spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics.

Watch out for taking in too much fat that often translates to an abundance of calories as well, which quickly packs on as extra pounds. Another diet pitfall to avoid when training is extremely high amounts of carbs or fiber. “These could cause annoying digestive issues and prevent you from performing well,” says McDaniel. In general, aim to get about 30 percent of your diet from protein, 40 percent from carbs and 30 percent from fat.


3. You won’t have the energy to exercise if you’re not eating enough.

Keep in mind that a diet you might think is healthy — one that’s super-low in carbs or calories — is just as harmful to your workout plan as one that’s high in fat. A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy, says McDaniel. Not getting enough fat (fat-soluble vitamins, like vitamins A and D, and essential fatty acids, like omega-3s, in particular), she adds, “leaves you unable to produce energy and grow muscle because it lowers your levels of hormones like insulin and testosterone — which are important for building lean-body mass.”

Additionally, maintaining a very restrictive diet for a prolonged period can lead to a reduction in muscle tissue and can decrease the ability of your skeletal muscles (the ones needed for lifting, walking, and other forms of exercise) to perform well, found a study published in the journal Advances in Nutrition.

“A chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.”

4. You won’t quer to exercise.

Unhealthy food choices — whether you’re eating too much fat, too many calories, or not enough of either—may make you feel slow and less driven to exercise. “Diet and exercise are a feedback loop,” says McDaniel. “When you eat well, you are motivated to move, and when you move, you are more motivated to eat better.” Consider, for instance, a low-carb, high-fat diet it might not only weaken training adaptations and hinder performance, McDaniel adds, but can also lead to a ‘hangry’ mood. Translation: You’ll be less likely to want to get to the gym.

5. You won’t be able to tone your target areas.

Having a hard time sculpting a better butt or washboard abs? When you consume excess calories and can’t burn them all off solely from your workouts, they head right to these trouble zones. “It’s dependent on your specific body type,” says Haas, “but generally, women tend to gain weight in the hips and thighs, while men pack it on around their midsection.” So even if you’ve gained muscle in these areas, it will be covered by a layer of fat. And abs exercises alone aren’t enough to decrease your body-fat percentage or abdominal fat, according to a study published in the Journal of Strength and Conditioning Research.

Keeping your diet in check will help because to become truly toned, you’ll need to build muscle e burn more calories than you’re consuming at the same time. It’s easier to do so if you don’t treat yourself to nachos or ice cream in the first place.

6. You could get sick — or hurt.

Low-carb and low-fat diets can be mentally draining and have a negative impact on heart health, says McDaniel. Plus, she says, “Following a chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.” Studies have found that not taking in an adequate amount of healthy fats may raise your chances for overuse injuries (such as stress fractures and tendonitis) and it doesn’t allow your body to protect itself in order to stay healthy. Furthermore, if you pair a low-fat diet with intense exercise, that can lower your immunity even further.

Regular sweat sessions are, of course, key for staying in shape and maintaining your overall health. However, says McDaniel, “Remember that exercise sustains weight loss — but a healthy diet is what drives it.”


6 Reasons Why You Can’t Out-Exercise a Bad Diet

Sure, you could eat whatever you wanted in high school and stay thin as a rail. But unfortunately you’re not 17 anymore, and even if you work out ‘round the clock, you can’t transform your body if you constantly give in to cravings, high-fat foods, and sweet treats. The truth is, flat abs are made in the kitchen and no amount of cardio and crunches can sculpt a sleek physique if you maintain an unhealthy diet.

“Consume excess calories and you have to counterbalance them,” says Sara Haas, R.D.N., spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics. “And it’s hard to get enough exercise in to undo the calories you’ll get in a double cheeseburger with French fries and a milk shake.”

Read on for reasons why aligning your nutrition plan with your exercise routine will help you get the body you want.

Why You Can’t Out-Train a Bad Diet

1. You’re not a professional athlete.

If you justify frequent fried chicken or pasta dinners with the Flywheel class or CrossFit WOD on your schedule the following morning, you might want to recalculate how many calories you’re actually burning in comparison to the ones you’re taking in. “The majority of people are not serious athletes, meaning they don’t require the same type and amount of fuel as the pros,” says Haas. “Eating a calorically dense, high-carbohydrate meal or snack makes sense for a competitive cyclist about to endure a 100-mile road race, but it doesn’t make sense for someone who is about to take a two-mile jog around the block.”

Instead, opt for a healthier form of chicken such as grilled or poached and save the spaghetti for a post-race meal. Yes, it’s OK to have a cheat here and there, but try not to make it a weekly or even bi-weekly thing. And don’t bother justifying it with an intense sweat session you may have had earlier — it’s called a cheat meal for a reason.

A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy.

2. You won’t be able to hit your peak if you’re overdoing it with the wrong foods.

To effectively change your physique and stay toned requires intense exercise. You won’t have the physical endurance to push through tough workouts if your diet isn’t up to snuff. Yes, that unfortunately means that while Reese’s Pieces and soda may give you a sugar high that you mistake as energy, they won’t fuel you to PR on the bench or around the track. Also, if you’re consuming high-fat foods in the evening, they could be disrupting your sleep, according to Brazilian researchers — which will leave you too tired to go all out at the gym.

You’ll need a combination of carbohydrates and protein to recover following a workout, as well as adequate carbs beforehand, too. “They’re the preferred energy for the exercisers’ muscles and mind,” says Jennifer McDaniel, R.D.N., founder of McDaniel Nutrition Therapy in St. Louis and spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics.

Watch out for taking in too much fat that often translates to an abundance of calories as well, which quickly packs on as extra pounds. Another diet pitfall to avoid when training is extremely high amounts of carbs or fiber. “These could cause annoying digestive issues and prevent you from performing well,” says McDaniel. In general, aim to get about 30 percent of your diet from protein, 40 percent from carbs and 30 percent from fat.


3. You won’t have the energy to exercise if you’re not eating enough.

Keep in mind that a diet you might think is healthy — one that’s super-low in carbs or calories — is just as harmful to your workout plan as one that’s high in fat. A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy, says McDaniel. Not getting enough fat (fat-soluble vitamins, like vitamins A and D, and essential fatty acids, like omega-3s, in particular), she adds, “leaves you unable to produce energy and grow muscle because it lowers your levels of hormones like insulin and testosterone — which are important for building lean-body mass.”

Additionally, maintaining a very restrictive diet for a prolonged period can lead to a reduction in muscle tissue and can decrease the ability of your skeletal muscles (the ones needed for lifting, walking, and other forms of exercise) to perform well, found a study published in the journal Advances in Nutrition.

“A chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.”

4. You won’t quer to exercise.

Unhealthy food choices — whether you’re eating too much fat, too many calories, or not enough of either—may make you feel slow and less driven to exercise. “Diet and exercise are a feedback loop,” says McDaniel. “When you eat well, you are motivated to move, and when you move, you are more motivated to eat better.” Consider, for instance, a low-carb, high-fat diet it might not only weaken training adaptations and hinder performance, McDaniel adds, but can also lead to a ‘hangry’ mood. Translation: You’ll be less likely to want to get to the gym.

5. You won’t be able to tone your target areas.

Having a hard time sculpting a better butt or washboard abs? When you consume excess calories and can’t burn them all off solely from your workouts, they head right to these trouble zones. “It’s dependent on your specific body type,” says Haas, “but generally, women tend to gain weight in the hips and thighs, while men pack it on around their midsection.” So even if you’ve gained muscle in these areas, it will be covered by a layer of fat. And abs exercises alone aren’t enough to decrease your body-fat percentage or abdominal fat, according to a study published in the Journal of Strength and Conditioning Research.

Keeping your diet in check will help because to become truly toned, you’ll need to build muscle e burn more calories than you’re consuming at the same time. It’s easier to do so if you don’t treat yourself to nachos or ice cream in the first place.

6. You could get sick — or hurt.

Low-carb and low-fat diets can be mentally draining and have a negative impact on heart health, says McDaniel. Plus, she says, “Following a chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.” Studies have found that not taking in an adequate amount of healthy fats may raise your chances for overuse injuries (such as stress fractures and tendonitis) and it doesn’t allow your body to protect itself in order to stay healthy. Furthermore, if you pair a low-fat diet with intense exercise, that can lower your immunity even further.

Regular sweat sessions are, of course, key for staying in shape and maintaining your overall health. However, says McDaniel, “Remember that exercise sustains weight loss — but a healthy diet is what drives it.”


6 Reasons Why You Can’t Out-Exercise a Bad Diet

Sure, you could eat whatever you wanted in high school and stay thin as a rail. But unfortunately you’re not 17 anymore, and even if you work out ‘round the clock, you can’t transform your body if you constantly give in to cravings, high-fat foods, and sweet treats. The truth is, flat abs are made in the kitchen and no amount of cardio and crunches can sculpt a sleek physique if you maintain an unhealthy diet.

“Consume excess calories and you have to counterbalance them,” says Sara Haas, R.D.N., spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics. “And it’s hard to get enough exercise in to undo the calories you’ll get in a double cheeseburger with French fries and a milk shake.”

Read on for reasons why aligning your nutrition plan with your exercise routine will help you get the body you want.

Why You Can’t Out-Train a Bad Diet

1. You’re not a professional athlete.

If you justify frequent fried chicken or pasta dinners with the Flywheel class or CrossFit WOD on your schedule the following morning, you might want to recalculate how many calories you’re actually burning in comparison to the ones you’re taking in. “The majority of people are not serious athletes, meaning they don’t require the same type and amount of fuel as the pros,” says Haas. “Eating a calorically dense, high-carbohydrate meal or snack makes sense for a competitive cyclist about to endure a 100-mile road race, but it doesn’t make sense for someone who is about to take a two-mile jog around the block.”

Instead, opt for a healthier form of chicken such as grilled or poached and save the spaghetti for a post-race meal. Yes, it’s OK to have a cheat here and there, but try not to make it a weekly or even bi-weekly thing. And don’t bother justifying it with an intense sweat session you may have had earlier — it’s called a cheat meal for a reason.

A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy.

2. You won’t be able to hit your peak if you’re overdoing it with the wrong foods.

To effectively change your physique and stay toned requires intense exercise. You won’t have the physical endurance to push through tough workouts if your diet isn’t up to snuff. Yes, that unfortunately means that while Reese’s Pieces and soda may give you a sugar high that you mistake as energy, they won’t fuel you to PR on the bench or around the track. Also, if you’re consuming high-fat foods in the evening, they could be disrupting your sleep, according to Brazilian researchers — which will leave you too tired to go all out at the gym.

You’ll need a combination of carbohydrates and protein to recover following a workout, as well as adequate carbs beforehand, too. “They’re the preferred energy for the exercisers’ muscles and mind,” says Jennifer McDaniel, R.D.N., founder of McDaniel Nutrition Therapy in St. Louis and spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics.

Watch out for taking in too much fat that often translates to an abundance of calories as well, which quickly packs on as extra pounds. Another diet pitfall to avoid when training is extremely high amounts of carbs or fiber. “These could cause annoying digestive issues and prevent you from performing well,” says McDaniel. In general, aim to get about 30 percent of your diet from protein, 40 percent from carbs and 30 percent from fat.


3. You won’t have the energy to exercise if you’re not eating enough.

Keep in mind that a diet you might think is healthy — one that’s super-low in carbs or calories — is just as harmful to your workout plan as one that’s high in fat. A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy, says McDaniel. Not getting enough fat (fat-soluble vitamins, like vitamins A and D, and essential fatty acids, like omega-3s, in particular), she adds, “leaves you unable to produce energy and grow muscle because it lowers your levels of hormones like insulin and testosterone — which are important for building lean-body mass.”

Additionally, maintaining a very restrictive diet for a prolonged period can lead to a reduction in muscle tissue and can decrease the ability of your skeletal muscles (the ones needed for lifting, walking, and other forms of exercise) to perform well, found a study published in the journal Advances in Nutrition.

“A chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.”

4. You won’t quer to exercise.

Unhealthy food choices — whether you’re eating too much fat, too many calories, or not enough of either—may make you feel slow and less driven to exercise. “Diet and exercise are a feedback loop,” says McDaniel. “When you eat well, you are motivated to move, and when you move, you are more motivated to eat better.” Consider, for instance, a low-carb, high-fat diet it might not only weaken training adaptations and hinder performance, McDaniel adds, but can also lead to a ‘hangry’ mood. Translation: You’ll be less likely to want to get to the gym.

5. You won’t be able to tone your target areas.

Having a hard time sculpting a better butt or washboard abs? When you consume excess calories and can’t burn them all off solely from your workouts, they head right to these trouble zones. “It’s dependent on your specific body type,” says Haas, “but generally, women tend to gain weight in the hips and thighs, while men pack it on around their midsection.” So even if you’ve gained muscle in these areas, it will be covered by a layer of fat. And abs exercises alone aren’t enough to decrease your body-fat percentage or abdominal fat, according to a study published in the Journal of Strength and Conditioning Research.

Keeping your diet in check will help because to become truly toned, you’ll need to build muscle e burn more calories than you’re consuming at the same time. It’s easier to do so if you don’t treat yourself to nachos or ice cream in the first place.

6. You could get sick — or hurt.

Low-carb and low-fat diets can be mentally draining and have a negative impact on heart health, says McDaniel. Plus, she says, “Following a chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.” Studies have found that not taking in an adequate amount of healthy fats may raise your chances for overuse injuries (such as stress fractures and tendonitis) and it doesn’t allow your body to protect itself in order to stay healthy. Furthermore, if you pair a low-fat diet with intense exercise, that can lower your immunity even further.

Regular sweat sessions are, of course, key for staying in shape and maintaining your overall health. However, says McDaniel, “Remember that exercise sustains weight loss — but a healthy diet is what drives it.”


6 Reasons Why You Can’t Out-Exercise a Bad Diet

Sure, you could eat whatever you wanted in high school and stay thin as a rail. But unfortunately you’re not 17 anymore, and even if you work out ‘round the clock, you can’t transform your body if you constantly give in to cravings, high-fat foods, and sweet treats. The truth is, flat abs are made in the kitchen and no amount of cardio and crunches can sculpt a sleek physique if you maintain an unhealthy diet.

“Consume excess calories and you have to counterbalance them,” says Sara Haas, R.D.N., spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics. “And it’s hard to get enough exercise in to undo the calories you’ll get in a double cheeseburger with French fries and a milk shake.”

Read on for reasons why aligning your nutrition plan with your exercise routine will help you get the body you want.

Why You Can’t Out-Train a Bad Diet

1. You’re not a professional athlete.

If you justify frequent fried chicken or pasta dinners with the Flywheel class or CrossFit WOD on your schedule the following morning, you might want to recalculate how many calories you’re actually burning in comparison to the ones you’re taking in. “The majority of people are not serious athletes, meaning they don’t require the same type and amount of fuel as the pros,” says Haas. “Eating a calorically dense, high-carbohydrate meal or snack makes sense for a competitive cyclist about to endure a 100-mile road race, but it doesn’t make sense for someone who is about to take a two-mile jog around the block.”

Instead, opt for a healthier form of chicken such as grilled or poached and save the spaghetti for a post-race meal. Yes, it’s OK to have a cheat here and there, but try not to make it a weekly or even bi-weekly thing. And don’t bother justifying it with an intense sweat session you may have had earlier — it’s called a cheat meal for a reason.

A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy.

2. You won’t be able to hit your peak if you’re overdoing it with the wrong foods.

To effectively change your physique and stay toned requires intense exercise. You won’t have the physical endurance to push through tough workouts if your diet isn’t up to snuff. Yes, that unfortunately means that while Reese’s Pieces and soda may give you a sugar high that you mistake as energy, they won’t fuel you to PR on the bench or around the track. Also, if you’re consuming high-fat foods in the evening, they could be disrupting your sleep, according to Brazilian researchers — which will leave you too tired to go all out at the gym.

You’ll need a combination of carbohydrates and protein to recover following a workout, as well as adequate carbs beforehand, too. “They’re the preferred energy for the exercisers’ muscles and mind,” says Jennifer McDaniel, R.D.N., founder of McDaniel Nutrition Therapy in St. Louis and spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics.

Watch out for taking in too much fat that often translates to an abundance of calories as well, which quickly packs on as extra pounds. Another diet pitfall to avoid when training is extremely high amounts of carbs or fiber. “These could cause annoying digestive issues and prevent you from performing well,” says McDaniel. In general, aim to get about 30 percent of your diet from protein, 40 percent from carbs and 30 percent from fat.


3. You won’t have the energy to exercise if you’re not eating enough.

Keep in mind that a diet you might think is healthy — one that’s super-low in carbs or calories — is just as harmful to your workout plan as one that’s high in fat. A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy, says McDaniel. Not getting enough fat (fat-soluble vitamins, like vitamins A and D, and essential fatty acids, like omega-3s, in particular), she adds, “leaves you unable to produce energy and grow muscle because it lowers your levels of hormones like insulin and testosterone — which are important for building lean-body mass.”

Additionally, maintaining a very restrictive diet for a prolonged period can lead to a reduction in muscle tissue and can decrease the ability of your skeletal muscles (the ones needed for lifting, walking, and other forms of exercise) to perform well, found a study published in the journal Advances in Nutrition.

“A chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.”

4. You won’t quer to exercise.

Unhealthy food choices — whether you’re eating too much fat, too many calories, or not enough of either—may make you feel slow and less driven to exercise. “Diet and exercise are a feedback loop,” says McDaniel. “When you eat well, you are motivated to move, and when you move, you are more motivated to eat better.” Consider, for instance, a low-carb, high-fat diet it might not only weaken training adaptations and hinder performance, McDaniel adds, but can also lead to a ‘hangry’ mood. Translation: You’ll be less likely to want to get to the gym.

5. You won’t be able to tone your target areas.

Having a hard time sculpting a better butt or washboard abs? When you consume excess calories and can’t burn them all off solely from your workouts, they head right to these trouble zones. “It’s dependent on your specific body type,” says Haas, “but generally, women tend to gain weight in the hips and thighs, while men pack it on around their midsection.” So even if you’ve gained muscle in these areas, it will be covered by a layer of fat. And abs exercises alone aren’t enough to decrease your body-fat percentage or abdominal fat, according to a study published in the Journal of Strength and Conditioning Research.

Keeping your diet in check will help because to become truly toned, you’ll need to build muscle e burn more calories than you’re consuming at the same time. It’s easier to do so if you don’t treat yourself to nachos or ice cream in the first place.

6. You could get sick — or hurt.

Low-carb and low-fat diets can be mentally draining and have a negative impact on heart health, says McDaniel. Plus, she says, “Following a chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.” Studies have found that not taking in an adequate amount of healthy fats may raise your chances for overuse injuries (such as stress fractures and tendonitis) and it doesn’t allow your body to protect itself in order to stay healthy. Furthermore, if you pair a low-fat diet with intense exercise, that can lower your immunity even further.

Regular sweat sessions are, of course, key for staying in shape and maintaining your overall health. However, says McDaniel, “Remember that exercise sustains weight loss — but a healthy diet is what drives it.”


6 Reasons Why You Can’t Out-Exercise a Bad Diet

Sure, you could eat whatever you wanted in high school and stay thin as a rail. But unfortunately you’re not 17 anymore, and even if you work out ‘round the clock, you can’t transform your body if you constantly give in to cravings, high-fat foods, and sweet treats. The truth is, flat abs are made in the kitchen and no amount of cardio and crunches can sculpt a sleek physique if you maintain an unhealthy diet.

“Consume excess calories and you have to counterbalance them,” says Sara Haas, R.D.N., spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics. “And it’s hard to get enough exercise in to undo the calories you’ll get in a double cheeseburger with French fries and a milk shake.”

Read on for reasons why aligning your nutrition plan with your exercise routine will help you get the body you want.

Why You Can’t Out-Train a Bad Diet

1. You’re not a professional athlete.

If you justify frequent fried chicken or pasta dinners with the Flywheel class or CrossFit WOD on your schedule the following morning, you might want to recalculate how many calories you’re actually burning in comparison to the ones you’re taking in. “The majority of people are not serious athletes, meaning they don’t require the same type and amount of fuel as the pros,” says Haas. “Eating a calorically dense, high-carbohydrate meal or snack makes sense for a competitive cyclist about to endure a 100-mile road race, but it doesn’t make sense for someone who is about to take a two-mile jog around the block.”

Instead, opt for a healthier form of chicken such as grilled or poached and save the spaghetti for a post-race meal. Yes, it’s OK to have a cheat here and there, but try not to make it a weekly or even bi-weekly thing. And don’t bother justifying it with an intense sweat session you may have had earlier — it’s called a cheat meal for a reason.

A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy.

2. You won’t be able to hit your peak if you’re overdoing it with the wrong foods.

To effectively change your physique and stay toned requires intense exercise. You won’t have the physical endurance to push through tough workouts if your diet isn’t up to snuff. Yes, that unfortunately means that while Reese’s Pieces and soda may give you a sugar high that you mistake as energy, they won’t fuel you to PR on the bench or around the track. Also, if you’re consuming high-fat foods in the evening, they could be disrupting your sleep, according to Brazilian researchers — which will leave you too tired to go all out at the gym.

You’ll need a combination of carbohydrates and protein to recover following a workout, as well as adequate carbs beforehand, too. “They’re the preferred energy for the exercisers’ muscles and mind,” says Jennifer McDaniel, R.D.N., founder of McDaniel Nutrition Therapy in St. Louis and spokesperson for the Academy of Nutrition and Dietetics.

Watch out for taking in too much fat that often translates to an abundance of calories as well, which quickly packs on as extra pounds. Another diet pitfall to avoid when training is extremely high amounts of carbs or fiber. “These could cause annoying digestive issues and prevent you from performing well,” says McDaniel. In general, aim to get about 30 percent of your diet from protein, 40 percent from carbs and 30 percent from fat.


3. You won’t have the energy to exercise if you’re not eating enough.

Keep in mind that a diet you might think is healthy — one that’s super-low in carbs or calories — is just as harmful to your workout plan as one that’s high in fat. A very restrictive eating plan, paired with hardcore exercise, could leave you leaning on muscle mass for energy, says McDaniel. Not getting enough fat (fat-soluble vitamins, like vitamins A and D, and essential fatty acids, like omega-3s, in particular), she adds, “leaves you unable to produce energy and grow muscle because it lowers your levels of hormones like insulin and testosterone — which are important for building lean-body mass.”

Additionally, maintaining a very restrictive diet for a prolonged period can lead to a reduction in muscle tissue and can decrease the ability of your skeletal muscles (the ones needed for lifting, walking, and other forms of exercise) to perform well, found a study published in the journal Advances in Nutrition.

“A chronic low-carb diet may lead to micronutrient deficiencies and increased inflammation throughout the body, which both make you more susceptible to injury.”

4. You won’t quer to exercise.

Unhealthy food choices — whether you’re eating too much fat, too many calories, or not enough of either—may make you feel slow and less driven to exercise. “Diet and exercise are a feedback loop,” says McDaniel. “When you eat well, you are motivated to move, and when you move, you are more motivated to eat better.” Consider, for instance, a low-carb, high-fat diet it might not only weaken training adaptations and hinder performance, McDaniel adds, but can also lead to a ‘hangry’ mood. Translation: You’ll be less likely to want to get to the gym.

5. You won’t be able to tone your target areas.

Having a hard time sculpting a better butt or washboard abs? When you consume excess calories and can’t burn them all off solely from your workouts, they head right to these trouble zones. “Depende do seu tipo específico de corpo”, diz Haas, “mas geralmente, as mulheres tendem a ganhar peso nos quadris e nas coxas, enquanto os homens acumulam na região do meio”. Portanto, mesmo que você tenha ganho músculos nessas áreas, eles serão cobertos por uma camada de gordura. E os exercícios abdominais por si só não são suficientes para diminuir o percentual de gordura corporal ou gordura abdominal, de acordo com um estudo publicado no Jornal de pesquisa de força e condicionamento.

Manter sua dieta sob controle ajudará porque para se tornar verdadeiramente tonificado, você precisará construir músculos e queimar mais calorias do que você está consumindo ao mesmo tempo. É mais fácil fazer isso se você não se mimar com nachos ou sorvete em primeiro lugar.

6. Você pode ficar doente - ou se machucar.

As dietas com baixo teor de carboidratos e gorduras podem ser mentalmente desgastantes e ter um impacto negativo na saúde do coração, diz McDaniel. Além disso, ela diz: “Seguir uma dieta crônica de baixo teor de carboidratos pode levar a deficiências de micronutrientes e aumento da inflamação em todo o corpo, o que o torna mais suscetível a lesões”. Estudos descobriram que não ingerir uma quantidade adequada de gorduras saudáveis ​​pode aumentar suas chances de lesões por uso excessivo (como fraturas por estresse e tendinite) e não permite que seu corpo se proteja para permanecer saudável. Além disso, se você combinar uma dieta com baixo teor de gordura com exercícios intensos, isso pode diminuir sua imunidade ainda mais.

Sessões regulares de suor são, obviamente, a chave para se manter em forma e manter sua saúde geral. No entanto, diz McDaniel, “Lembre-se de que o exercício mantém a perda de peso - mas uma dieta saudável é o que o impulsiona”.


Assista o vídeo: Co jeść przed i po treningu? Podstawy dla początkujących. M. KarmowskiZapytaj Trenera (Janeiro 2022).