Novas receitas

Deschutes & Goose Island Brewery Release Barrel-Aged Belgian-Style Ale

Deschutes & Goose Island Brewery Release Barrel-Aged Belgian-Style Ale

  1. Casa
  2. cozinhar

12 de dezembro de 2013

Por

The New School Beer


O terceiro e último lançamento da série de colaboração Class of '88 da Deschutes Brewery é com Goose Island e terá um lançamento no final deste mês na forma de "Ale de estilo belga". Embora não seja o nome mais empolgante, a cerveja é, na verdade, 100% envelhecida em barris com algumas frutas para um novo lançamento muito interessante.
Clique aqui para ler o resto deste post!


5 fabricantes de cerveja artesanal que perderam seus privilégios de artesanato

PORTLAND, Ore. (MainStreet) & # x2013 Existem mais fabricantes de cerveja artesanal hoje do que há um ano, mas ainda há um monte de cervejarias antes conhecidas como sentimento artesanal que foram deixadas de fora do clube.

No ano passado, o grupo da indústria de cerveja artesanal da Associação de Cervejarias reduziu o número de cervejeiros que usam milho, milho ou arroz como adjuvantes em seu processo de fabricação de cerveja e aumentou suas fileiras consideravelmente. Antes disso, a associação Brewers & # x2014, que também administra o Great American Beer Festival e a American Homebrewers Association & # x2014, estava deixando de fora algumas das cervejarias independentes mais antigas do país.

Depois de muita busca interior e uma grande mudança de opinião, a associação mudou sua definição de cervejaria artesanal no ano passado & # x2014 & # xA0já flexionou em 2010 para aumentar o limite de produção para pequenas cervejarias de 2 milhões de barris para 6 milhões para acomodar Samuel Produtor Adams Boston Beer. Ao suavizar sua postura contra o uso de arroz e milho como adjuvantes e reduzir o pilar & # x201Ctradicional & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal, a Associação de Cervejarias finalmente deu as boas-vindas a cervejarias, incluindo Pottsville, Pa. D.G. Yuengling & amp & # xA0Son (o mais antigo dos EUA, fundado em 1829), com sede em St. Marys, Pa. Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn. August Schell Brewing (1860) e Monroe, baseado em Wis. Cervejaria Minhas Craft (1845 como Blumer Brewing) na dobra.

Embora a nova definição tecnicamente não entre em vigor até que a Brewers Association compile suas estatísticas para 2014 em fevereiro, a mudança foi um grande negócio para o grupo e para a comunidade da cerveja artesanal em geral. O conselho de diretores da Brewers Association & aposs inclui alguns dos nomes mais influentes da cerveja artesanal, incluindo Serra nevada fundador Ken Grossman, Nova Bélgica Chefe do Executivo Kim Jordan, Cabeça de cação criador Sam Calagione, Deschutes Brewing líder Larry Fish e Allagash cabeça Rob Tod. Esses são alguns dos indivíduos mais antigos neste setor da indústria, e sua definição de cervejeiro artesanal & aposs impacto sobre as pequenas cervejarias legadas provavelmente não foi perdido para eles.

Um dos maiores problemas, entretanto, era que a postura da Brewers Association estava causando algumas fraturas entre os pequenos cervejeiros em um momento em que a cerveja artesanal menos podia pagar por isso. A Brewers Association tem patrocinado o Small BREW Act no Congresso e pressionado por incentivos fiscais para cervejarias que produzem 6 milhões de barris ou menos. O grupo de lobby da indústria do Beer Institute, com sede em Washington, tem apoiado o concorrente BEER Act que daria incentivos fiscais a todas as cervejarias, mas em] & # xA0 incrementos com base na produção. A proposta da Brewers Association & aposs traça uma linha firme entre & # x201Ccraft & # x201D e importadores / grandes cervejeiros, mas parecia instável quando BA estava ridicularizando ativamente os pequenos cervejeiros como & # x201Ccrafty. & # X201D O conselho de administração sabia que precisava do apoio desses pequenos fabricantes de cerveja mas, de acordo com a declaração de BA & aposs, & # x201C mudar de cavalo no meio da sessão do Congresso poderia ter queimado a capacidade da associação de obter co-patrocinadores do Congresso para qualquer legislação, talvez por algumas décadas. & # x201D

As implicações políticas desse ajuste não devem ser negligenciadas. A Brewers Association reconhece que está tentando obter 10% do mercado de cerveja em volume e mudou sua declaração de missão para refletir uma nova meta de 20% de participação de mercado até 2020. Ao trazer Yuengling a bordo, a BA acabou de adicionar uma cervejaria que produzia 2,79 milhões de barris em 2013.

Dito isso, isso não significa que a Brewers Association está disposta a trazer qualquer cervejaria com menos de 6 milhões de barris de produção nos EUA. A parte & # x201Cindependent & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal ainda se aplica e ainda exclui qualquer cervejaria que venda mais de 25% de sua operação para um membro da indústria de álcool que não seja uma cervejaria artesanal. Isso deixa de fora Fordham e Old Dominion, já que essas cervejarias sediadas em Delaware são 49% detidas por Anheuser-Busch InBev (BUD) - Obter relatório e aquisição A-B Blue Point Brewing recente de Patchogue, N.Y.

Essa participação de 25% é agora a linha de demarcação. Caia sobre ou abaixo dela, como Atenas, Geórgia. Cerveja Terrapin faz com uma participação de menos de 25% pertencente a MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Receba o Relatório & # x2014 e você estará dentro. Passeie acima dele com uma ação de propriedade da MillerCoors, A-B InBev ou qualquer outra grande cervejaria que BA considere inadequada (embora sediada em Kansas City Boulevard Brewing e proprietário da cervejaria Ommegang & aposs de Cooperstown, N.Y., Bélgica & aposs Duvel Moortgat, está muito bem pelo BA) e você está excomungado.

Embora a lista negra de cervejas artesanais não seja mais o que costumava ser, ainda há cervejarias notáveis ​​o suficiente para torná-la digna de menção. Aqui estão apenas cinco:

5. Cervejaria Goose Island
Chicago
Por que não é artesanal: Propriedade da Anheuser-Busch InBev

Goose Island não poderia vencer, então por que tentar?

A cervejaria de Chicago teve seu início em 1988, mas teve seu primeiro gosto da ira da cerveja artesanal quando se juntou a Redhook e Widmer Brothers na Craft Brewers Alliance em 2006. Apesar de saturar a área de Chicagoland em 312 Urban Wheat durante o verão e aquecê-la com sua Bourbon Country Stout envelhecida em barris durante o inverno, ocasionalmente recebia críticas por se associar a um coletivo que era distribuído e parcialmente propriedade da Anheuser-Busch.

Apesar de uma caixa de troféus cheia de medalhas do Great American Beer Festival da Brewers Association, os rumores sobre a queda supostamente inevitável na qualidade de Goose Island tornaram-se ensurdecedores. No ano passado, o fundador John Hall vendeu a empresa para a Anheuser-Busch InBev por US $ 38,8 milhões. Desde então, questões sobre a Goose Island se tornar uma marca nacional (o que era, até certo ponto, quando a Craft Brewers Alliance a fabricava em vários locais) e sobre a Bourbon County Stout ir o ano todo continuaram a circular.


5 fabricantes de cerveja artesanal que perderam seus privilégios de artesanato

PORTLAND, Ore. (MainStreet) & # x2013 Existem mais fabricantes de cerveja artesanal hoje do que há um ano, mas ainda há um monte de cervejarias antes conhecidas como sentimento artesanal que foram deixadas de fora do clube.

No ano passado, o grupo da indústria de cerveja artesanal da Associação de Cervejarias reduziu o número de cervejeiros que usam milho, milho ou arroz como adjuvantes em seu processo de fabricação de cerveja e aumentou suas fileiras consideravelmente. Antes disso, a associação Brewers & # x2014, que também administra o Great American Beer Festival e a American Homebrewers Association & # x2014, estava deixando de fora algumas das cervejarias independentes mais antigas do país.

Depois de muita busca interior e uma grande mudança de opinião, a associação mudou sua definição de cervejaria artesanal no ano passado & # x2014 & # xA0já flexionou em 2010 para aumentar o limite de produção para pequenas cervejarias de 2 milhões de barris para 6 milhões para acomodar Samuel Produtor Adams Boston Beer. Ao suavizar sua postura contra o uso de arroz e milho como adjuvantes e reduzir o pilar & # x201Ctradicional & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal, a Associação de Cervejarias finalmente deu as boas-vindas a cervejarias, incluindo Pottsville, Pa. D.G. Yuengling & amp & # xA0Son (o mais antigo dos EUA, fundado em 1829), com sede em St. Marys, Pa. Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn. August Schell Brewing (1860) e Monroe, baseado em Wis. Cervejaria Minhas Craft (1845 como Blumer Brewing) na dobra.

Embora a nova definição tecnicamente não entre em vigor até que a Brewers Association compile suas estatísticas para 2014 em fevereiro, a mudança foi um grande negócio para o grupo e para a comunidade da cerveja artesanal em geral. O conselho de diretores da Brewers Association & aposs inclui alguns dos nomes mais influentes da cerveja artesanal, incluindo Serra nevada fundador Ken Grossman, Nova Bélgica Chefe do Executivo Kim Jordan, Cabeça de cação criador Sam Calagione, Deschutes Brewing líder Larry Fish e Allagash cabeça Rob Tod. Esses são alguns dos indivíduos mais antigos neste setor da indústria, e sua definição de cervejeiro artesanal & aposs impacto sobre as pequenas cervejarias legadas provavelmente não foi perdido para eles.

Um dos maiores problemas, entretanto, era que a postura da Brewers Association estava causando algumas fraturas entre os pequenos cervejeiros em um momento em que a cerveja artesanal menos podia pagar por isso. A Brewers Association tem patrocinado o Small BREW Act no Congresso e pressionado por incentivos fiscais para cervejarias que produzem 6 milhões de barris ou menos. O grupo de lobby da indústria do Beer Institute, com sede em Washington, tem apoiado o concorrente BEER Act que daria incentivos fiscais a todas as cervejarias, mas em] & # xA0 incrementos com base na produção. A proposta da Brewers Association & aposs traça uma linha firme entre & # x201Ccraft & # x201D e importadores / grandes cervejeiros, mas parecia instável quando BA estava ridicularizando ativamente os pequenos cervejeiros como & # x201Ccrafty. & # X201D O conselho de administração sabia que precisava do apoio desses pequenos fabricantes de cerveja mas, de acordo com a declaração da BA & aposs, & # x201C mudar de cavalo no meio da sessão do Congresso poderia ter queimado a capacidade da associação de obter co-patrocinadores do Congresso para qualquer legislação, talvez por algumas décadas. & # x201D

As implicações políticas desse ajuste não devem ser negligenciadas. A Brewers Association reconhece que está tentando conquistar 10% do mercado de cerveja em volume e mudou sua missão para refletir uma nova meta de 20% de participação de mercado até 2020. Ao trazer Yuengling a bordo, a BA acabou de adicionar uma cervejaria que produzia 2,79 milhões de barris em 2013.

Dito isso, isso não significa que a Brewers Association está disposta a trazer qualquer cervejaria com menos de 6 milhões de barris de produção nos EUA. A porção & # x201Cindependent & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal ainda se aplica e ainda exclui qualquer cervejaria que venda mais de 25% de sua operação para um membro da indústria de álcool que não seja uma cervejaria artesanal. Isso deixa de fora Fordham e Old Dominion, já que essas cervejarias sediadas em Delaware são 49% detidas por Anheuser-Busch InBev (BUD) - Obter relatório e aquisição de Blue Point Brewing baseada em Patchogue, N.Y.

Essa participação de 25% é agora a linha de demarcação. Caia sobre ou abaixo dela, como Atenas, com base na Geórgia. Cerveja Terrapin faz com uma participação de menos de 25% pertencente a MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Receba o Relatório & # x2014 e você estará dentro. Passeie acima dele com uma ação de propriedade da MillerCoors, A-B InBev ou qualquer outra grande cervejaria que BA considere inadequada (embora sediada em Kansas City Boulevard Brewing e proprietário da cervejaria Ommegang & aposs de Cooperstown, N.Y., Bélgica & aposs Duvel Moortgat, está muito bem pelo BA) e você está excomungado.

Embora a lista negra de cervejas artesanais não seja mais o que costumava ser, ainda há cervejarias notáveis ​​o suficiente para torná-la digna de menção. Aqui estão apenas cinco:

5. Cervejaria Goose Island
Chicago
Por que não é artesanal: Propriedade da Anheuser-Busch InBev

Goose Island não poderia vencer, então por que tentar?

A cervejaria de Chicago teve seu início em 1988, mas teve seu primeiro gosto da ira da cerveja artesanal quando se juntou a Redhook e Widmer Brothers na Craft Brewers Alliance em 2006. Apesar de saturar a área de Chicagoland em 312 Urban Wheat durante o verão e aquecê-la com sua Bourbon Country Stout envelhecida como barril durante o inverno, ocasionalmente recebia críticas por se associar a um coletivo que era distribuído e parcialmente propriedade da Anheuser-Busch.

Apesar de uma caixa de troféus cheia de medalhas do Great American Beer Festival da Brewers Association, os rumores sobre a queda supostamente inevitável na qualidade de Goose Island tornaram-se ensurdecedores. No ano passado, o fundador John Hall vendeu a empresa para a Anheuser-Busch InBev por US $ 38,8 milhões. Desde então, questões sobre Goose Island se tornar uma marca nacional (o que era, até certo ponto, quando a Craft Brewers Alliance a fabricava em vários locais) e sobre a Bourbon County Stout indo o ano todo continuaram a circular.


5 fabricantes de cerveja artesanal que perderam seus privilégios de artesanato

PORTLAND, Ore. (MainStreet) & # x2013 Existem mais fabricantes de cerveja artesanal hoje do que há um ano, mas ainda há um monte de cervejarias antes conhecidas como sentimento artesanal que foram deixadas de fora do clube.

No ano passado, o grupo da indústria de cerveja artesanal da Associação de Cervejarias reduziu o número de cervejeiros que usam milho, milho ou arroz como adjuvantes em seu processo de fabricação de cerveja e aumentou suas fileiras consideravelmente. Antes disso, a associação Brewers & # x2014, que também administra o Great American Beer Festival e a American Homebrewers Association & # x2014, estava deixando de fora algumas das cervejarias independentes mais antigas do país.

Depois de muita busca interior e uma grande mudança de opinião, a associação mudou sua definição de cervejaria artesanal no ano passado & # x2014 & # xA0já flexionou em 2010 para aumentar o limite de produção para pequenas cervejarias de 2 milhões de barris para 6 milhões para acomodar Samuel Produtor Adams Boston Beer. Ao suavizar sua postura contra o uso de arroz e milho como adjuvantes e reduzir o pilar & # x201Ctradicional & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal, a Associação de Cervejarias finalmente deu as boas-vindas a cervejarias, incluindo Pottsville, Pa. D.G. Yuengling & amp & # xA0Son (o mais antigo dos EUA, fundado em 1829), com sede em St. Marys, Pa. Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn. August Schell Brewing (1860) e Monroe, baseado em Wis. Cervejaria Minhas Craft (1845 como Blumer Brewing) na dobra.

Embora a nova definição tecnicamente não entre em vigor até que a Brewers Association compile suas estatísticas para 2014 em fevereiro, a mudança foi um grande negócio para o grupo e para a comunidade da cerveja artesanal em geral. O conselho de diretores da Brewers Association & aposs inclui alguns dos nomes mais influentes da cerveja artesanal, incluindo Serra nevada fundador Ken Grossman, Nova Bélgica Chefe do Executivo Kim Jordan, Cabeça de cação criador Sam Calagione, Deschutes Brewing líder Larry Fish e Allagash cabeça Rob Tod. Esses são alguns dos indivíduos mais antigos neste setor da indústria, e sua definição de cervejeiro artesanal & aposs impacto sobre as pequenas cervejarias legadas provavelmente não foi perdido para eles.

Um dos maiores problemas, entretanto, era que a postura da Brewers Association estava causando algumas fraturas entre os pequenos cervejeiros em um momento em que a cerveja artesanal menos podia pagar por isso. A Brewers Association tem patrocinado o Small BREW Act no Congresso e pressionado por incentivos fiscais para cervejarias que produzem 6 milhões de barris ou menos. O grupo de lobby da indústria do Beer Institute, com sede em Washington, tem apoiado o concorrente BEER Act que daria incentivos fiscais a todas as cervejarias, mas em] & # xA0 incrementos com base na produção. A proposta da Brewers Association & aposs traça uma linha firme entre & # x201Ccraft & # x201D e importadores / grandes cervejarias, mas parecia instável quando BA estava ridicularizando ativamente as pequenas cervejarias como & # x201Ccrafty. & # X201D O conselho de administração sabia que precisava do apoio dessas pequenas cervejarias mas, de acordo com a declaração da BA & aposs, & # x201C mudar de cavalo no meio da sessão do Congresso poderia ter queimado a capacidade da associação de conseguir co-patrocinadores do Congresso para qualquer legislação, talvez por algumas décadas. & # x201D

As implicações políticas desse ajuste não devem ser negligenciadas. A Brewers Association reconhece que está tentando obter 10% do mercado de cerveja em volume e mudou sua declaração de missão para refletir uma nova meta de 20% de participação de mercado até 2020. Ao trazer Yuengling a bordo, a BA acabou de adicionar uma cervejaria que produzia 2,79 milhões de barris em 2013.

Dito isso, isso não significa que a Brewers Association está disposta a trazer qualquer cervejaria com menos de 6 milhões de barris de produção nos EUA. A porção & # x201Cindependent & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal ainda se aplica e ainda exclui qualquer cervejaria que venda mais de 25% de sua operação para um membro da indústria de álcool que não seja uma cervejaria artesanal. Isso deixa de fora Fordham e Old Dominion, já que essas cervejarias sediadas em Delaware são 49% detidas por Anheuser-Busch InBev (BUD) - Obter relatório e aquisição de Blue Point Brewing baseada em Patchogue, N.Y.

Essa participação de 25% é agora a linha de demarcação. Cair sobre ou abaixo dele, como Atenas, Ga. Cerveja Terrapin faz com uma participação de menos de 25% pertencente a MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Obtenha o Relatório & # x2014 e você estará dentro. Passeie acima dele com uma ação de propriedade da MillerCoors, A-B InBev ou qualquer outra grande cervejaria que BA considere inadequada (embora sediada em Kansas City Boulevard Brewing e proprietário da cervejaria Ommegang & aposs de Cooperstown, N.Y., Bélgica & aposs Duvel Moortgat, está muito bem pelo BA) e você está excomungado.

Embora a lista negra de cervejas artesanais não seja mais o que costumava ser, ainda há cervejarias notáveis ​​o suficiente para torná-la digna de menção. Aqui estão apenas cinco:

5. Cervejaria Goose Island
Chicago
Por que não é artesanal: Propriedade da Anheuser-Busch InBev

Goose Island não poderia vencer, então por que tentar?

A cervejaria de Chicago teve seu início em 1988, mas teve seu primeiro gosto da ira da cerveja artesanal quando se juntou a Redhook e Widmer Brothers na Craft Brewers Alliance em 2006. Apesar de saturar a área de Chicagoland em 312 Urban Wheat durante o verão e aquecê-la com sua Bourbon Country Stout envelhecida como barril durante o inverno, ocasionalmente recebia críticas por se associar a um coletivo que era distribuído e parcialmente propriedade da Anheuser-Busch.

Apesar de uma caixa de troféus cheia de medalhas do Great American Beer Festival da Brewers Association, os rumores sobre a queda supostamente inevitável na qualidade de Goose Island tornaram-se ensurdecedores. No ano passado, o fundador John Hall vendeu a empresa para a Anheuser-Busch InBev por US $ 38,8 milhões. Desde então, questões sobre Goose Island se tornar uma marca nacional (o que era, até certo ponto, quando a Craft Brewers Alliance a fabricava em vários locais) e sobre a Bourbon County Stout indo o ano todo continuaram a circular.


5 fabricantes de cerveja artesanal que perderam seus privilégios de artesanato

PORTLAND, Ore. (MainStreet) & # x2013 Existem mais fabricantes de cerveja artesanal hoje do que há um ano, mas ainda há um monte de cervejarias antes conhecidas como sentimento artesanal que foram deixadas de fora do clube.

No ano passado, o grupo da indústria de cerveja artesanal da Associação de Cervejarias reduziu o número de cervejeiros que usam milho, milho ou arroz como adjuvantes em seu processo de fabricação de cerveja e aumentou suas fileiras consideravelmente. Antes disso, a associação Brewers & # x2014, que também administra o Great American Beer Festival e a American Homebrewers Association & # x2014, estava deixando de fora algumas das cervejarias independentes mais antigas do país.

Depois de muita busca interior e uma grande mudança de opinião, a associação mudou sua definição de cervejaria artesanal no ano passado & # x2014 & # xA0já flexionou em 2010 para aumentar o limite de produção para pequenas cervejarias de 2 milhões de barris para 6 milhões para acomodar Samuel Produtor Adams Boston Beer. Ao suavizar sua postura contra o uso de arroz e milho como adjuvantes e reduzir o pilar & # x201Ctradicional & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal, a Associação de Cervejarias finalmente deu as boas-vindas a cervejarias, incluindo Pottsville, Pa. D.G. Yuengling & amp & # xA0Son (o mais antigo dos EUA, fundado em 1829), com sede em St. Marys, Pa. Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn. August Schell Brewing (1860) e Monroe, baseado em Wis. Cervejaria Minhas Craft (1845 como Blumer Brewing) na dobra.

Embora a nova definição tecnicamente não entre em vigor até que a Associação de Cervejarias compile suas estatísticas para 2014 em fevereiro, a mudança foi um grande negócio para o grupo e a comunidade de cerveja artesanal em geral. O conselho de diretores da Brewers Association & aposs inclui alguns dos nomes mais influentes da cerveja artesanal, incluindo Serra nevada fundador Ken Grossman, Nova Bélgica Chefe do Executivo Kim Jordan, Cabeça de cação criador Sam Calagione, Deschutes Brewing líder Larry Fish e Allagash cabeça Rob Tod. Esses são alguns dos indivíduos mais antigos neste setor da indústria, e sua definição de cervejaria artesanal & aposs impacto sobre as pequenas cervejarias legadas provavelmente não foi perdido para eles.

Um dos maiores problemas, no entanto, era que a posição da Brewers Association estava causando algumas fraturas entre os pequenos cervejeiros em um momento em que a cerveja artesanal menos podia pagar por isso. A Brewers Association tem patrocinado o Small BREW Act no Congresso e pressionado por incentivos fiscais para cervejarias que produzem 6 milhões de barris ou menos. O grupo de lobby da indústria do Beer Institute, com sede em Washington, tem apoiado o concorrente BEER Act que daria incentivos fiscais a todas as cervejarias, mas em] & # xA0 incrementos com base na produção. A proposta da Brewers Association & aposs traça uma linha firme entre & # x201Ccraft & # x201D e importadores / grandes cervejeiros, mas parecia instável quando BA estava ridicularizando ativamente os pequenos cervejeiros como & # x201Ccrafty. & # X201D O conselho de administração sabia que precisava do apoio desses pequenos fabricantes de cerveja mas, de acordo com a declaração da BA & aposs, & # x201C mudar de cavalo no meio da sessão do Congresso poderia ter queimado a capacidade da associação de obter co-patrocinadores do Congresso para qualquer legislação, talvez por algumas décadas. & # x201D

As implicações políticas desse ajuste não devem ser negligenciadas. A Brewers Association reconhece que está tentando obter 10% do mercado de cerveja em volume e mudou sua declaração de missão para refletir uma nova meta de 20% de participação de mercado até 2020. Ao trazer Yuengling a bordo, a BA acabou de adicionar uma cervejaria que produzia 2,79 milhões de barris em 2013.

Dito isso, isso não significa que a Brewers Association está disposta a trazer qualquer cervejaria com menos de 6 milhões de barris de produção nos EUA. A porção & # x201Cindependent & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal ainda se aplica e ainda exclui qualquer cervejaria que venda mais de 25% de sua operação para um membro da indústria de álcool que não seja uma cervejaria artesanal. Isso deixa de fora Fordham e Old Dominion, já que essas cervejarias sediadas em Delaware são 49% detidas por Anheuser-Busch InBev (BUD) - Obter relatório e aquisição A-B Blue Point Brewing recente de Patchogue, N.Y.

Essa participação de 25% é agora a linha de demarcação. Caia sobre ou abaixo dela, como Atenas, com base na Geórgia. Cerveja Terrapin faz com uma participação de menos de 25% pertencente a MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Obtenha o Relatório & # x2014 e você estará dentro. Passeie acima dele com uma ação de propriedade da MillerCoors, A-B InBev ou qualquer outra grande cervejaria que BA considere inadequada (embora sediada em Kansas City Boulevard Brewing e proprietário da cervejaria Ommegang & aposs de Cooperstown, N.Y., Bélgica & aposs Duvel Moortgat, está muito bem pelo BA) e você está excomungado.

Embora a lista negra de cervejas artesanais não seja mais o que costumava ser, ainda há cervejarias notáveis ​​o suficiente para torná-la digna de menção. Aqui estão apenas cinco:

5. Cervejaria Goose Island
Chicago
Por que não é artesanal: Propriedade da Anheuser-Busch InBev

Goose Island não poderia vencer, então por que tentar?

A cervejaria de Chicago teve seu início em 1988, mas teve seu primeiro gosto da ira da cerveja artesanal quando se juntou a Redhook e Widmer Brothers na Craft Brewers Alliance em 2006. Apesar de saturar a área de Chicagoland em 312 Urban Wheat durante o verão e aquecê-la com sua Bourbon Country Stout envelhecida como barril durante o inverno, ocasionalmente recebia críticas por se associar a um coletivo que era distribuído e parcialmente propriedade da Anheuser-Busch.

Apesar de uma caixa de troféus cheia de medalhas do Great American Beer Festival da Brewers Association, os boatos sobre a queda supostamente inevitável na qualidade da Ilha de Goose tornaram-se ensurdecedores. No ano passado, o fundador John Hall vendeu a empresa para a Anheuser-Busch InBev por US $ 38,8 milhões. Desde então, questões sobre Goose Island se tornar uma marca nacional (o que era, até certo ponto, quando a Craft Brewers Alliance a fabricava em vários locais) e sobre a Bourbon County Stout indo o ano todo continuaram a circular.


5 fabricantes de cerveja artesanal que perderam seus privilégios de artesanato

PORTLAND, Ore. (MainStreet) & # x2013 Existem mais fabricantes de cerveja artesanal hoje do que há um ano, mas ainda há um monte de cervejarias antes conhecidas como sentimento artesanal que foram deixadas de fora do clube.

No ano passado, o grupo da indústria de cerveja artesanal da Associação de Cervejarias reduziu o número de cervejeiros que usam milho, milho ou arroz como adjuvantes em seu processo de fabricação de cerveja e aumentou suas fileiras consideravelmente. Antes disso, a associação Brewers & # x2014, que também administra o Great American Beer Festival e a American Homebrewers Association & # x2014, estava deixando de fora algumas das cervejarias independentes mais antigas do país.

Depois de muita busca interior e uma grande mudança de opinião, a associação mudou sua definição de cervejaria artesanal no ano passado & # x2014 & # xA0já flexionou em 2010 para aumentar o limite de produção para pequenas cervejarias de 2 milhões de barris para 6 milhões para acomodar Samuel Produtor Adams Boston Beer. Ao suavizar sua postura contra o uso de arroz e milho como adjuvantes e reduzir o pilar & # x201Ctradicional & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal, a Associação de Cervejarias finalmente deu as boas-vindas a cervejarias, incluindo Pottsville, Pa. D.G. Yuengling & amp & # xA0Son (o mais antigo dos EUA, fundado em 1829), com sede em St. Marys, Pa. Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn. August Schell Brewing (1860) e Monroe, baseado em Wis. Cervejaria Minhas Craft (1845 como Blumer Brewing) na dobra.

Embora a nova definição tecnicamente não entre em vigor até que a Brewers Association compile suas estatísticas para 2014 em fevereiro, a mudança foi um grande negócio para o grupo e para a comunidade da cerveja artesanal em geral. O conselho de diretores da Brewers Association & aposs inclui alguns dos nomes mais influentes da cerveja artesanal, incluindo Serra nevada fundador Ken Grossman, Nova Bélgica Chefe do Executivo Kim Jordan, Cabeça de cação criador Sam Calagione, Deschutes Brewing líder Larry Fish e Allagash cabeça Rob Tod. Esses são alguns dos indivíduos mais antigos neste setor da indústria, e sua definição de cervejeiro artesanal & aposs impacto sobre as pequenas cervejarias legadas provavelmente não foi perdido para eles.

Um dos maiores problemas, entretanto, era que a postura da Brewers Association estava causando algumas fraturas entre os pequenos cervejeiros em um momento em que a cerveja artesanal menos podia pagar por isso. A Brewers Association tem patrocinado o Small BREW Act no Congresso e pressionado por incentivos fiscais para cervejarias que produzem 6 milhões de barris ou menos. O grupo de lobby da indústria do Beer Institute, com sede em Washington, tem apoiado o concorrente BEER Act que daria incentivos fiscais a todas as cervejarias, mas em] & # xA0 incrementos com base na produção. A proposta da Brewers Association & aposs traça uma linha firme entre & # x201Ccraft & # x201D e importadores / grandes cervejeiros, mas parecia instável quando BA estava ridicularizando ativamente os pequenos cervejeiros como & # x201Ccrafty. & # X201D O conselho de administração sabia que precisava do apoio desses pequenos fabricantes de cerveja mas, de acordo com a declaração da BA & aposs, & # x201C mudar de cavalo no meio da sessão do Congresso poderia ter queimado a capacidade da associação de conseguir co-patrocinadores do Congresso para qualquer legislação, talvez por algumas décadas. & # x201D

As implicações políticas desse ajuste não devem ser negligenciadas. A Brewers Association reconhece que está tentando obter 10% do mercado de cerveja em volume e mudou sua declaração de missão para refletir uma nova meta de 20% de participação de mercado até 2020. Ao trazer Yuengling a bordo, a BA acabou de adicionar uma cervejaria que produzia 2,79 milhões de barris em 2013.

Dito isso, isso não significa que a Brewers Association está disposta a trazer qualquer cervejaria com menos de 6 milhões de barris de produção nos EUA. A porção & # x201Cindependent & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal ainda se aplica e ainda exclui qualquer cervejaria que venda mais de 25% de sua operação para um membro da indústria de álcool que não seja uma cervejaria artesanal. Isso deixa de fora Fordham e Old Dominion, já que essas cervejarias sediadas em Delaware são 49% detidas por Anheuser-Busch InBev (BUD) - Obter relatório e aquisição de Blue Point Brewing baseada em Patchogue, N.Y.

Essa participação de 25% é agora a linha de demarcação. Cair sobre ou abaixo dele, como Atenas, Ga. Cerveja Terrapin faz com uma participação de menos de 25% pertencente a MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Obtenha o Relatório & # x2014 e você estará dentro. Passeie acima dele com uma ação de propriedade da MillerCoors, A-B InBev ou qualquer outra grande cervejaria que BA considere inadequada (embora sediada em Kansas City Boulevard Brewing e proprietário da cervejaria Ommegang & aposs de Cooperstown, N.Y., Bélgica & aposs Duvel Moortgat, está muito bem pelo BA) e você está excomungado.

Embora a lista negra de cervejas artesanais não seja mais o que costumava ser, ainda há cervejarias notáveis ​​o suficiente para torná-la digna de menção. Aqui estão apenas cinco:

5. Cervejaria Goose Island
Chicago
Por que não é artesanal: Propriedade da Anheuser-Busch InBev

Goose Island não poderia vencer, então por que tentar?

A cervejaria de Chicago teve seu início em 1988, mas teve seu primeiro gosto da ira da cerveja artesanal quando se juntou a Redhook e Widmer Brothers na Craft Brewers Alliance em 2006. Apesar de saturar a área de Chicagoland em 312 Urban Wheat durante o verão e aquecê-la com sua Bourbon Country Stout envelhecida em barris durante o inverno, ocasionalmente recebia críticas por se associar a um coletivo que era distribuído e parcialmente propriedade da Anheuser-Busch.

Apesar de uma caixa de troféus cheia de medalhas do Great American Beer Festival da Brewers Association, os rumores sobre a queda supostamente inevitável na qualidade de Goose Island tornaram-se ensurdecedores. No ano passado, o fundador John Hall vendeu a empresa para a Anheuser-Busch InBev por US $ 38,8 milhões. Desde então, questões sobre Goose Island se tornar uma marca nacional (o que era, até certo ponto, quando a Craft Brewers Alliance a fabricava em vários locais) e sobre a Bourbon County Stout indo o ano todo continuaram a circular.


5 fabricantes de cerveja artesanal que perderam seus privilégios de artesanato

PORTLAND, Ore. (MainStreet) & # x2013 Existem mais fabricantes de cerveja artesanal hoje do que há um ano, mas ainda há um monte de cervejarias antes conhecidas como sentimento artesanal que foram deixadas de fora do clube.

No ano passado, o grupo da indústria de cerveja artesanal da Associação de Cervejarias deu uma folga para os cervejeiros que usam milho, milho ou arroz como adjuvantes em seu processo de fabricação de cerveja e aumentou suas fileiras consideravelmente. Antes disso, a associação Brewers & # x2014, que também administra o Great American Beer Festival e a American Homebrewers Association & # x2014, estava deixando de fora algumas das cervejarias independentes mais antigas do país.

Depois de muita busca interior e uma grande mudança de opinião, a associação mudou sua definição de cervejaria artesanal no ano passado & # x2014 & # xA0já flexionou em 2010 para aumentar o limite de produção para pequenas cervejarias de 2 milhões de barris para 6 milhões para acomodar Samuel Produtor Adams Boston Beer. Suavizando sua postura contra o uso de arroz e milho como adjuvantes e reduzindo o pilar & # x201Ctradicional & # x201D de sua definição de cervejaria artesanal, a Associação de Cervejarias finalmente deu as boas-vindas a cervejarias, incluindo Pottsville, Pa. D.G. Yuengling & amp & # xA0Son (o mais antigo dos EUA, fundado em 1829), com sede em St. Marys, Pa. Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn. August Schell Brewing (1860) e Monroe, baseado em Wis. Minhas Craft Brewery (1845 as Blumer Brewing) into the fold.

While the new definition technically won&apost go into effect until the Brewers Association compiles its stats for 2014 in February, the change was a huge deal for the group and the craft beer community in general. The Brewers Association&aposs board of directors includes some of the most influential names in craft beer, including Sierra Nevada founder Ken Grossman, New Belgium Chief Executive Kim Jordan, Dogfish Head creator Sam Calagione, Deschutes Brewing leader Larry Fish and Allagash head Rob Tod. Those are some of the longest-tenured individuals in this corner of the industry, and their craft brewer definition&aposs impact on small legacy brewers likely wasn&apost lost on them.

One of the bigger issues, however, was that the Brewers Association&aposs stance was causing some fracturing among small brewers at a time craft beer could least afford it. The Brewers Association had been sponsoring the Small BREW Act in Congress and pushing for tax breaks for brewers that produce 6 million barrels or less. The Washington-based Beer Institute industry lobbying group had been supporting the competing BEER Act that would give tax breaks to all brewers, but in ] increments based on production. The Brewers Association&aposs proposal draws a firm line between 𠇌raft” and importers/big brewers, but it looked shaky when BA was actively deriding small brewers as 𠇌rafty.” The board of directors knew it needed those small brewers&apos support but, according to BA&aposs statement, “to change horses in the middle of the Congressional session could have burned the association&aposs ability to get Congressional co-sponsors for any legislation, perhaps for a couple of decades.”

The political implications of this tweak shouldn&apost be overlooked. The Brewers Association acknowledges that its is trying to take 10% of the beer market by volume and changed its mission statement to reflect a new goal of 20% market share by 2020. By bringing Yuengling on board, BA just added a brewer that produced 2.79 million barrels in 2013.

That said, it doesn&apost mean the Brewers Association is willing to bring in any brewery with less than 6 million barrels of U.S. production. The “independent” portion of its craft brewer definition still applies, and still excludes any brewer selling more than a 25% stake of their operation to a member of the alcohol industry that isn&apost a craft brewer. That leaves out Fordham e Old Dominion, as those Delaware-based brewers are 49% owned by Anheuser-Busch InBev (BUD) - Get Report , and recent Patchogue, N.Y.-based A-B acquisition Blue Point Brewing.

That 25% stake is now the line of demarcation. Fall on or beneath it, as Athens, Ga.-based Terrapin Beer does with a sub-25% stake owned by MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Get Report — and you&aposre in. Drift above it with a share owned by MillerCoors, A-B InBev or any other large brewer BA deems inappropriate (though Kansas City-based Boulevard Brewing and Cooperstown, N.Y.-based Brewery Ommegang&aposs owner, Belgium&aposs Duvel Moortgat, is just fine by the BA) and you&aposre excommunicated.

While the craft beer blacklist isn&apost what it used to be, there are still enough notable brewers on it to make it worth mentioning. Here are just five:

5. Goose Island Brewery
Chicago
Why it&aposs not craft: Owned by Anheuser-Busch InBev

Goose Island couldn&apost win, so why try?

The Chicago brewery got its start in 1988 but got its first taste of craft beer wrath when it joined up with Redhook and Widmer Brothers in the Craft Brewers Alliance in 2006. Despite saturating the Chicagoland area in 312 Urban Wheat during the summer and warming it with its barrel-aged Bourbon Country Stout during the winter, it occasionally drew critiques for associating with a collective that was distributed and partially owned by Anheuser-Busch.

Despite a trophy case full of medals from the Brewers Association&aposs Great American Beer Festival, whispers about the supposedly inevitable drop in Goose Island&aposs quality became deafening. Last year, founder John Hall sold the company to Anheuser-Busch InBev outright for $38.8 million. Since then, questions about Goose Island becoming a national brand (which it was, to a degree, when the Craft Brewers Alliance brewed it in various locations) and about Bourbon County Stout going year-round have continued to circulate.


5 Craft Beer Brewers Who Have Lost Their Craft Privileges

PORTLAND, Ore. (MainStreet) – There are more craft beer brewers today than a year ago, but there are still a bunch of brewers formerly known as craft feeling left out of the club.

Last year, the Brewers Association craft beer industry group cut some slack to brewers who use maize, corn or rice as adjuncts in their brewing process and increased their ranks considerably. Before that, the Brewers association — which also runs the Great American Beer Festival and the American Homebrewers Association — was leaving out some of the oldest independent breweries in the country.

After a whole lot of soul searching and a big change of heart the association changed its definition of a craft brewer last year —ਊlready flexed in 2010 to raise the production limit for small brewers from 2 million barrels to 6 million to accommodate Samuel Adams producer Boston Beer. By softening its stance against the use of rice and corn as adjuncts and whittling down the “traditional” pillar of its craft brewer definition, the Brewers Association finally welcomed brewers including Pottsville, Pa.-based D.G. Yuengling & Son (the oldest in the U.S., founded in 1829) St. Marys, Pa.-based Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn.-based August Schell Brewing (1860) and Monroe, Wis.-based Minhas Craft Brewery (1845 as Blumer Brewing) into the fold.

While the new definition technically won&apost go into effect until the Brewers Association compiles its stats for 2014 in February, the change was a huge deal for the group and the craft beer community in general. The Brewers Association&aposs board of directors includes some of the most influential names in craft beer, including Sierra Nevada founder Ken Grossman, New Belgium Chief Executive Kim Jordan, Dogfish Head creator Sam Calagione, Deschutes Brewing leader Larry Fish and Allagash head Rob Tod. Those are some of the longest-tenured individuals in this corner of the industry, and their craft brewer definition&aposs impact on small legacy brewers likely wasn&apost lost on them.

One of the bigger issues, however, was that the Brewers Association&aposs stance was causing some fracturing among small brewers at a time craft beer could least afford it. The Brewers Association had been sponsoring the Small BREW Act in Congress and pushing for tax breaks for brewers that produce 6 million barrels or less. The Washington-based Beer Institute industry lobbying group had been supporting the competing BEER Act that would give tax breaks to all brewers, but in ] increments based on production. The Brewers Association&aposs proposal draws a firm line between 𠇌raft” and importers/big brewers, but it looked shaky when BA was actively deriding small brewers as 𠇌rafty.” The board of directors knew it needed those small brewers&apos support but, according to BA&aposs statement, “to change horses in the middle of the Congressional session could have burned the association&aposs ability to get Congressional co-sponsors for any legislation, perhaps for a couple of decades.”

The political implications of this tweak shouldn&apost be overlooked. The Brewers Association acknowledges that its is trying to take 10% of the beer market by volume and changed its mission statement to reflect a new goal of 20% market share by 2020. By bringing Yuengling on board, BA just added a brewer that produced 2.79 million barrels in 2013.

That said, it doesn&apost mean the Brewers Association is willing to bring in any brewery with less than 6 million barrels of U.S. production. The “independent” portion of its craft brewer definition still applies, and still excludes any brewer selling more than a 25% stake of their operation to a member of the alcohol industry that isn&apost a craft brewer. That leaves out Fordham e Old Dominion, as those Delaware-based brewers are 49% owned by Anheuser-Busch InBev (BUD) - Get Report , and recent Patchogue, N.Y.-based A-B acquisition Blue Point Brewing.

That 25% stake is now the line of demarcation. Fall on or beneath it, as Athens, Ga.-based Terrapin Beer does with a sub-25% stake owned by MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Get Report — and you&aposre in. Drift above it with a share owned by MillerCoors, A-B InBev or any other large brewer BA deems inappropriate (though Kansas City-based Boulevard Brewing and Cooperstown, N.Y.-based Brewery Ommegang&aposs owner, Belgium&aposs Duvel Moortgat, is just fine by the BA) and you&aposre excommunicated.

While the craft beer blacklist isn&apost what it used to be, there are still enough notable brewers on it to make it worth mentioning. Here are just five:

5. Goose Island Brewery
Chicago
Why it&aposs not craft: Owned by Anheuser-Busch InBev

Goose Island couldn&apost win, so why try?

The Chicago brewery got its start in 1988 but got its first taste of craft beer wrath when it joined up with Redhook and Widmer Brothers in the Craft Brewers Alliance in 2006. Despite saturating the Chicagoland area in 312 Urban Wheat during the summer and warming it with its barrel-aged Bourbon Country Stout during the winter, it occasionally drew critiques for associating with a collective that was distributed and partially owned by Anheuser-Busch.

Despite a trophy case full of medals from the Brewers Association&aposs Great American Beer Festival, whispers about the supposedly inevitable drop in Goose Island&aposs quality became deafening. Last year, founder John Hall sold the company to Anheuser-Busch InBev outright for $38.8 million. Since then, questions about Goose Island becoming a national brand (which it was, to a degree, when the Craft Brewers Alliance brewed it in various locations) and about Bourbon County Stout going year-round have continued to circulate.


5 Craft Beer Brewers Who Have Lost Their Craft Privileges

PORTLAND, Ore. (MainStreet) – There are more craft beer brewers today than a year ago, but there are still a bunch of brewers formerly known as craft feeling left out of the club.

Last year, the Brewers Association craft beer industry group cut some slack to brewers who use maize, corn or rice as adjuncts in their brewing process and increased their ranks considerably. Before that, the Brewers association — which also runs the Great American Beer Festival and the American Homebrewers Association — was leaving out some of the oldest independent breweries in the country.

After a whole lot of soul searching and a big change of heart the association changed its definition of a craft brewer last year —ਊlready flexed in 2010 to raise the production limit for small brewers from 2 million barrels to 6 million to accommodate Samuel Adams producer Boston Beer. By softening its stance against the use of rice and corn as adjuncts and whittling down the “traditional” pillar of its craft brewer definition, the Brewers Association finally welcomed brewers including Pottsville, Pa.-based D.G. Yuengling & Son (the oldest in the U.S., founded in 1829) St. Marys, Pa.-based Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn.-based August Schell Brewing (1860) and Monroe, Wis.-based Minhas Craft Brewery (1845 as Blumer Brewing) into the fold.

While the new definition technically won&apost go into effect until the Brewers Association compiles its stats for 2014 in February, the change was a huge deal for the group and the craft beer community in general. The Brewers Association&aposs board of directors includes some of the most influential names in craft beer, including Sierra Nevada founder Ken Grossman, New Belgium Chief Executive Kim Jordan, Dogfish Head creator Sam Calagione, Deschutes Brewing leader Larry Fish and Allagash head Rob Tod. Those are some of the longest-tenured individuals in this corner of the industry, and their craft brewer definition&aposs impact on small legacy brewers likely wasn&apost lost on them.

One of the bigger issues, however, was that the Brewers Association&aposs stance was causing some fracturing among small brewers at a time craft beer could least afford it. The Brewers Association had been sponsoring the Small BREW Act in Congress and pushing for tax breaks for brewers that produce 6 million barrels or less. The Washington-based Beer Institute industry lobbying group had been supporting the competing BEER Act that would give tax breaks to all brewers, but in ] increments based on production. The Brewers Association&aposs proposal draws a firm line between 𠇌raft” and importers/big brewers, but it looked shaky when BA was actively deriding small brewers as 𠇌rafty.” The board of directors knew it needed those small brewers&apos support but, according to BA&aposs statement, “to change horses in the middle of the Congressional session could have burned the association&aposs ability to get Congressional co-sponsors for any legislation, perhaps for a couple of decades.”

The political implications of this tweak shouldn&apost be overlooked. The Brewers Association acknowledges that its is trying to take 10% of the beer market by volume and changed its mission statement to reflect a new goal of 20% market share by 2020. By bringing Yuengling on board, BA just added a brewer that produced 2.79 million barrels in 2013.

That said, it doesn&apost mean the Brewers Association is willing to bring in any brewery with less than 6 million barrels of U.S. production. The “independent” portion of its craft brewer definition still applies, and still excludes any brewer selling more than a 25% stake of their operation to a member of the alcohol industry that isn&apost a craft brewer. That leaves out Fordham e Old Dominion, as those Delaware-based brewers are 49% owned by Anheuser-Busch InBev (BUD) - Get Report , and recent Patchogue, N.Y.-based A-B acquisition Blue Point Brewing.

That 25% stake is now the line of demarcation. Fall on or beneath it, as Athens, Ga.-based Terrapin Beer does with a sub-25% stake owned by MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Get Report — and you&aposre in. Drift above it with a share owned by MillerCoors, A-B InBev or any other large brewer BA deems inappropriate (though Kansas City-based Boulevard Brewing and Cooperstown, N.Y.-based Brewery Ommegang&aposs owner, Belgium&aposs Duvel Moortgat, is just fine by the BA) and you&aposre excommunicated.

While the craft beer blacklist isn&apost what it used to be, there are still enough notable brewers on it to make it worth mentioning. Here are just five:

5. Goose Island Brewery
Chicago
Why it&aposs not craft: Owned by Anheuser-Busch InBev

Goose Island couldn&apost win, so why try?

The Chicago brewery got its start in 1988 but got its first taste of craft beer wrath when it joined up with Redhook and Widmer Brothers in the Craft Brewers Alliance in 2006. Despite saturating the Chicagoland area in 312 Urban Wheat during the summer and warming it with its barrel-aged Bourbon Country Stout during the winter, it occasionally drew critiques for associating with a collective that was distributed and partially owned by Anheuser-Busch.

Despite a trophy case full of medals from the Brewers Association&aposs Great American Beer Festival, whispers about the supposedly inevitable drop in Goose Island&aposs quality became deafening. Last year, founder John Hall sold the company to Anheuser-Busch InBev outright for $38.8 million. Since then, questions about Goose Island becoming a national brand (which it was, to a degree, when the Craft Brewers Alliance brewed it in various locations) and about Bourbon County Stout going year-round have continued to circulate.


5 Craft Beer Brewers Who Have Lost Their Craft Privileges

PORTLAND, Ore. (MainStreet) – There are more craft beer brewers today than a year ago, but there are still a bunch of brewers formerly known as craft feeling left out of the club.

Last year, the Brewers Association craft beer industry group cut some slack to brewers who use maize, corn or rice as adjuncts in their brewing process and increased their ranks considerably. Before that, the Brewers association — which also runs the Great American Beer Festival and the American Homebrewers Association — was leaving out some of the oldest independent breweries in the country.

After a whole lot of soul searching and a big change of heart the association changed its definition of a craft brewer last year —ਊlready flexed in 2010 to raise the production limit for small brewers from 2 million barrels to 6 million to accommodate Samuel Adams producer Boston Beer. By softening its stance against the use of rice and corn as adjuncts and whittling down the “traditional” pillar of its craft brewer definition, the Brewers Association finally welcomed brewers including Pottsville, Pa.-based D.G. Yuengling & Son (the oldest in the U.S., founded in 1829) St. Marys, Pa.-based Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn.-based August Schell Brewing (1860) and Monroe, Wis.-based Minhas Craft Brewery (1845 as Blumer Brewing) into the fold.

While the new definition technically won&apost go into effect until the Brewers Association compiles its stats for 2014 in February, the change was a huge deal for the group and the craft beer community in general. The Brewers Association&aposs board of directors includes some of the most influential names in craft beer, including Sierra Nevada founder Ken Grossman, New Belgium Chief Executive Kim Jordan, Dogfish Head creator Sam Calagione, Deschutes Brewing leader Larry Fish and Allagash head Rob Tod. Those are some of the longest-tenured individuals in this corner of the industry, and their craft brewer definition&aposs impact on small legacy brewers likely wasn&apost lost on them.

One of the bigger issues, however, was that the Brewers Association&aposs stance was causing some fracturing among small brewers at a time craft beer could least afford it. The Brewers Association had been sponsoring the Small BREW Act in Congress and pushing for tax breaks for brewers that produce 6 million barrels or less. The Washington-based Beer Institute industry lobbying group had been supporting the competing BEER Act that would give tax breaks to all brewers, but in ] increments based on production. The Brewers Association&aposs proposal draws a firm line between 𠇌raft” and importers/big brewers, but it looked shaky when BA was actively deriding small brewers as 𠇌rafty.” The board of directors knew it needed those small brewers&apos support but, according to BA&aposs statement, “to change horses in the middle of the Congressional session could have burned the association&aposs ability to get Congressional co-sponsors for any legislation, perhaps for a couple of decades.”

The political implications of this tweak shouldn&apost be overlooked. The Brewers Association acknowledges that its is trying to take 10% of the beer market by volume and changed its mission statement to reflect a new goal of 20% market share by 2020. By bringing Yuengling on board, BA just added a brewer that produced 2.79 million barrels in 2013.

That said, it doesn&apost mean the Brewers Association is willing to bring in any brewery with less than 6 million barrels of U.S. production. The “independent” portion of its craft brewer definition still applies, and still excludes any brewer selling more than a 25% stake of their operation to a member of the alcohol industry that isn&apost a craft brewer. That leaves out Fordham e Old Dominion, as those Delaware-based brewers are 49% owned by Anheuser-Busch InBev (BUD) - Get Report , and recent Patchogue, N.Y.-based A-B acquisition Blue Point Brewing.

That 25% stake is now the line of demarcation. Fall on or beneath it, as Athens, Ga.-based Terrapin Beer does with a sub-25% stake owned by MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Get Report — and you&aposre in. Drift above it with a share owned by MillerCoors, A-B InBev or any other large brewer BA deems inappropriate (though Kansas City-based Boulevard Brewing and Cooperstown, N.Y.-based Brewery Ommegang&aposs owner, Belgium&aposs Duvel Moortgat, is just fine by the BA) and you&aposre excommunicated.

While the craft beer blacklist isn&apost what it used to be, there are still enough notable brewers on it to make it worth mentioning. Here are just five:

5. Goose Island Brewery
Chicago
Why it&aposs not craft: Owned by Anheuser-Busch InBev

Goose Island couldn&apost win, so why try?

The Chicago brewery got its start in 1988 but got its first taste of craft beer wrath when it joined up with Redhook and Widmer Brothers in the Craft Brewers Alliance in 2006. Despite saturating the Chicagoland area in 312 Urban Wheat during the summer and warming it with its barrel-aged Bourbon Country Stout during the winter, it occasionally drew critiques for associating with a collective that was distributed and partially owned by Anheuser-Busch.

Despite a trophy case full of medals from the Brewers Association&aposs Great American Beer Festival, whispers about the supposedly inevitable drop in Goose Island&aposs quality became deafening. Last year, founder John Hall sold the company to Anheuser-Busch InBev outright for $38.8 million. Since then, questions about Goose Island becoming a national brand (which it was, to a degree, when the Craft Brewers Alliance brewed it in various locations) and about Bourbon County Stout going year-round have continued to circulate.


5 Craft Beer Brewers Who Have Lost Their Craft Privileges

PORTLAND, Ore. (MainStreet) – There are more craft beer brewers today than a year ago, but there are still a bunch of brewers formerly known as craft feeling left out of the club.

Last year, the Brewers Association craft beer industry group cut some slack to brewers who use maize, corn or rice as adjuncts in their brewing process and increased their ranks considerably. Before that, the Brewers association — which also runs the Great American Beer Festival and the American Homebrewers Association — was leaving out some of the oldest independent breweries in the country.

After a whole lot of soul searching and a big change of heart the association changed its definition of a craft brewer last year —ਊlready flexed in 2010 to raise the production limit for small brewers from 2 million barrels to 6 million to accommodate Samuel Adams producer Boston Beer. By softening its stance against the use of rice and corn as adjuncts and whittling down the “traditional” pillar of its craft brewer definition, the Brewers Association finally welcomed brewers including Pottsville, Pa.-based D.G. Yuengling & Son (the oldest in the U.S., founded in 1829) St. Marys, Pa.-based Straub Brewing (1872) New Ulm, Minn.-based August Schell Brewing (1860) and Monroe, Wis.-based Minhas Craft Brewery (1845 as Blumer Brewing) into the fold.

While the new definition technically won&apost go into effect until the Brewers Association compiles its stats for 2014 in February, the change was a huge deal for the group and the craft beer community in general. The Brewers Association&aposs board of directors includes some of the most influential names in craft beer, including Sierra Nevada founder Ken Grossman, New Belgium Chief Executive Kim Jordan, Dogfish Head creator Sam Calagione, Deschutes Brewing leader Larry Fish and Allagash head Rob Tod. Those are some of the longest-tenured individuals in this corner of the industry, and their craft brewer definition&aposs impact on small legacy brewers likely wasn&apost lost on them.

One of the bigger issues, however, was that the Brewers Association&aposs stance was causing some fracturing among small brewers at a time craft beer could least afford it. The Brewers Association had been sponsoring the Small BREW Act in Congress and pushing for tax breaks for brewers that produce 6 million barrels or less. The Washington-based Beer Institute industry lobbying group had been supporting the competing BEER Act that would give tax breaks to all brewers, but in ] increments based on production. The Brewers Association&aposs proposal draws a firm line between 𠇌raft” and importers/big brewers, but it looked shaky when BA was actively deriding small brewers as 𠇌rafty.” The board of directors knew it needed those small brewers&apos support but, according to BA&aposs statement, “to change horses in the middle of the Congressional session could have burned the association&aposs ability to get Congressional co-sponsors for any legislation, perhaps for a couple of decades.”

The political implications of this tweak shouldn&apost be overlooked. The Brewers Association acknowledges that its is trying to take 10% of the beer market by volume and changed its mission statement to reflect a new goal of 20% market share by 2020. By bringing Yuengling on board, BA just added a brewer that produced 2.79 million barrels in 2013.

That said, it doesn&apost mean the Brewers Association is willing to bring in any brewery with less than 6 million barrels of U.S. production. The “independent” portion of its craft brewer definition still applies, and still excludes any brewer selling more than a 25% stake of their operation to a member of the alcohol industry that isn&apost a craft brewer. That leaves out Fordham e Old Dominion, as those Delaware-based brewers are 49% owned by Anheuser-Busch InBev (BUD) - Get Report , and recent Patchogue, N.Y.-based A-B acquisition Blue Point Brewing.

That 25% stake is now the line of demarcation. Fall on or beneath it, as Athens, Ga.-based Terrapin Beer does with a sub-25% stake owned by MillerCoors (SBMRY) (TOCAR) - Get Report — and you&aposre in. Drift above it with a share owned by MillerCoors, A-B InBev or any other large brewer BA deems inappropriate (though Kansas City-based Boulevard Brewing and Cooperstown, N.Y.-based Brewery Ommegang&aposs owner, Belgium&aposs Duvel Moortgat, is just fine by the BA) and you&aposre excommunicated.

While the craft beer blacklist isn&apost what it used to be, there are still enough notable brewers on it to make it worth mentioning. Here are just five:

5. Goose Island Brewery
Chicago
Why it&aposs not craft: Owned by Anheuser-Busch InBev

Goose Island couldn&apost win, so why try?

The Chicago brewery got its start in 1988 but got its first taste of craft beer wrath when it joined up with Redhook and Widmer Brothers in the Craft Brewers Alliance in 2006. Despite saturating the Chicagoland area in 312 Urban Wheat during the summer and warming it with its barrel-aged Bourbon Country Stout during the winter, it occasionally drew critiques for associating with a collective that was distributed and partially owned by Anheuser-Busch.

Despite a trophy case full of medals from the Brewers Association&aposs Great American Beer Festival, whispers about the supposedly inevitable drop in Goose Island&aposs quality became deafening. Last year, founder John Hall sold the company to Anheuser-Busch InBev outright for $38.8 million. Since then, questions about Goose Island becoming a national brand (which it was, to a degree, when the Craft Brewers Alliance brewed it in various locations) and about Bourbon County Stout going year-round have continued to circulate.


Assista o vídeo: Matilda Belgian style ale 7% - goose Island - beer review (Dezembro 2021).